sexta-feira, março 28, 2014

SALVADOR MEU AMOR!


"Triste Bahia" poema de Gregório de Matos musicado por Caetano Veloso, disco Transa gravado em Londres quando ele e Gilberto Gil se encontravam exilados na Inglaterra pela ditadura de 1964. Ouçam que beleza de letra e música, parem a Rádio Humaitá ao lado.

Caros Leitores, pela passagem dos 465 anos da Cidade de Salvador, mas, conhecida como cidade da Bahia faço essa pequena homenagem a minha cidade querida, claro, sou soteropolitano da gema!

Nada melhor do que colocar aqui alguns poemas deste soteropolitano retado o Gregório de Matos, nascido no Pelourinho em 26/12/ 1636 de família portuguesa abastarda mais conhecido como "O Boca do Inferno ou O Boca de Brasa" Formado em Direito, abandonou a brilhante carreira para se tornar o maior Poeta Barroco do Brasil e o mais importante poeta satírico da literatura em língua portuguesa.


Sobre Gregório de Matos faremos um postagem com maiores detalhes.

LEIAM ATÉ O FINAL, MUITO IMPORTANTE E GOSTOSO DE LER.


OS 465 ANOS DE SALVADOR A CIDADE DA BAHIA

A cidade de Salvador foi fundada como “São Salvador da Bahia de Todos os Santos” capital do estado da Bahia e a primeira capital do Brasil. Foi fundada em 29 de março de 1549. O nome Salvador nasceu a partir do nome da cidade grega “Soterópolis” que significa “Cidade do Salvador” dai que os nascidos em Salvador são soteropolitanos.
Salvador com mais de três milhões de habitantes, é a cidade mais populosa de todo o nordeste brasileiro, a terceira do Brasil e a oitava da América latina, superada apenas por São Paulo, Cidade do México, Buenos Ayres, Lima, Bogotá, Rio de Janeiro e Santiago do Chile.

A cidade de Salvador é conhecida pela sua música, arquitetura e gastronomia, aqui nasceram as primeiras faculdades do Império: Medicina, Engenharia... e sua área metropolitana é a mais rica do nordeste brasileiro. A influência africana em muitos aspectos culturais da cidade a torna o centro da cultura afro-brasileira. O Centro Histórico de Salvador, no Pelourinho, é conhecido pela sua arquitetura portuguesa com monumentos históricos que datam do século XVII até o século XIX, tendo sido declarado como Patrimônio Mundial pela ONU para Educação, a Ciência e a Cultura em 1985.
Sede da primeira administração colonial portuguesa do Brasil, Salvador é uma das mais antigas da América. Antigamente, chamada de "Bahia" ou "cidade da Bahia". Também recebeu epítetos como Roma Negra e Meca da Negritude, por ser a cidade mais negra do Brasil, 90% dos soteropolitanos são negros. A Expressão “Roma Negra” é uma derivação de “Roma Africana” criada por Mãe Aninha fundadora do Ilê Axé Opó Afonjá nos anos 1940, em depoimento à antrópologa cultural Ruth Landes, conforme, diz o antropólogo Vivaldo da Costa Lima. Segundo Mãe Aninha, assim como Roma é o centro do catolicismo, Salvador seria o centro do culto aos Orixás. Posteriormente, em seu livro Cidade das Mulheres, Landes traduziu a expressão como Negro Africa. Posteriormente, quando o livro foi traduzido para o português, Negro Africa transformou-se Roma Negra.
O Sibarita
POEMAS DE GREGÓRIO DE MATOS SOBRE A CIDADE DA BAHIA, SALVADOR


À CIDADE DA BAHIA, SALVADOR (Esta, Caetano musicou, veja vídeo acima)


Triste Bahia! Oh quão dessemelhante
Estás, e estou do nosso antigo estado!
Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado,
Rica te vejo eu já, tu a mi abundante.
 

A ti tocou-te a máquina mercante,
Que em tua larga barra tem entrado,
A mim foi-me trocando, e tem trocado
Tanto negócio, e tanto negociante.

 
Deste em dar tanto açúcar excelente
Pelas drogas inúteis, que abelhuda
Simples aceitas do sagaz Brichote.
 
Oh se quisera Deus, que de repente
Um dia amanheceras tão sisuda
Que fora de algodão o teu capote!
Gregório de Matos
DEFINE A CIDADE DA BAHIA, SALVADOR. 
De dois ff se compõe
esta cidade a meu ver:
um furtar, outro foder.

Recopilou-se o direito,
e quem o recopilou
com dous ff o explicou
por estar feito, e bem feito:
por bem digesto, e colheito
só com dous ff o expõe,
e assim quem os olhos põe
no trato, que aqui se encerra,
há de dizer que esta terra
de dous ff se compõe.

Se de dous ff composta
está a nossa Bahia,
errada a ortografia,
a grande dano está posta:
eu quero fazer aposta
e quero um tostão perder,
que isso a há de perverter,
se o furtar e o foder bem
não são os ff que tem
esta cidade ao meu ver.

Provo a conjetura já,
prontamente como um brinco:
Bahia tem letras cinco
que são B-A-H-I-A:
logo ninguém me dirá
que dous ff chega a ter,
pois nenhum contém sequer,
salvo se em boa verdade
são os ff da cidade
um furtar, outro foder.

Gregório de Matos
Epílogos (Juízo anatômico dos achaques que padecia o corpo da república)
Que falta nesta cidade?... Verdade.
Que mais por sua desonra?... Honra.
Falta mais que se lhe ponha?... Vergonha.

O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha.

Quem a pôs neste rocrócio?... Negócio.
Quem causa tal perdição?... Ambição.
E no meio desta loucura?... Usura.

Notável desaventura
De um povo néscio e sandeu,
Que não sabe que perdeu
Negócio, ambição, usura.

Quais são seus doces objetos?... Pretos.
Tem outros bens mais maciços?... Mestiços.
Quais destes lhe são mais gratos?... Mulatos.

Dou ao Demo os insensatos,
Dou ao Demo o povo asnal,
Que estima por cabedal,
Pretos, mestiços, mulatos.

Quem faz os círios mesquinhos?... Meirinhos.
Quem faz as farinhas tardas?... Guardas.
Quem as tem nos aposentos?... Sargentos.

Os círios lá vêm aos centos,
E a terra fica esfaimando,
Porque os vão atravessando
Meirinhos, guardas, sargentos.

E que justiça a resguarda?... Bastarda.
É grátis distribuída?... Vendida.
Que tem, que a todos assusta?... Injusta.

Valha-nos Deus, o que custa
O que El-Rei nos dá de graça.
Que anda a Justiça na praça
Bastarda, vendida, injusta.

Que vai pela clerezia?... Simonia.
E pelos membros da Igreja?... Inveja.
Cuidei que mais se lhe punha?... Unha

Sazonada caramunha,
Enfim, que na Santa Sé
O que mais se pratica é
Simonia, inveja e unha.

E nos frades há mangueiras?... Freiras.
Em que ocupam os serões?... Sermões.
Não se ocupam em disputas?... Putas.
Com palavras dissolutas
Me concluo na verdade,
Que as lidas todas de um frade
São freiras, sermões e putas.
O açúcar já acabou?... Baixou.
E o dinheiro se extinguiu?... Subiu.
Logo já convalesceu?... Morreu.

À Bahia aconteceu
O que a um doente acontece:
Cai na cama, e o mal cresce,
Baixou, subiu, morreu.

A Câmara não acode?... Não pode.
Pois não tem todo o poder?... Não quer.
É que o Governo a convence?... Não vence.

Quem haverá que tal pense,
Que uma câmara tão nobre,
Por ver-se mísera e pobre,
Não pode, não quer, não vence.

Gregório de Matos

9 comentários:

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Gostei muito dos poemas e conhecer mais um pouco da Baía que foi um lugar que me deixou pena não conhecer, quando morei no Brasil.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Olhos de mel disse...

Siba; apesar de todas as mazelas, de todo abandono que ficou por anos, a nossa terra não perdeu seus encantos.
Parabéns Salvador! Parabéns Siba! Pela bela homenagem.
Bom domingo! Beijos

São disse...

Ai, como eu gostaria de ir até sua cidade, pois só conheço Fortaleza e sua região.

Caetano e Gil conheceram em Londres um dos maiores cantautores de língua portuguesa e que també foi perseguido e preso pela ditadura portuguesa : José Afonso.

Abraço grande, seu moço, rrs

Minha vida de campo disse...

Olá,
Que felicidade ver nossos filhos encaminhado e conquistando seu espaço. Parabéns pela formatura do filho. Vencemos mais essa etapa de formá-los né.

Adoro Caetano, esse homem canta muito bem em todos os gêneros. Tem um tango de Gardel que ele interpreta que é belíssimo.
Também gostei de conhecer as lindas poesia de Gregório de Matos. A Bahia é um estado de grande lutas raciais. Aqui no sul existe muito preconceito, o negro teve grande importância no desenvolvimento do estado, mas quem ganhou o reconhecimento foram os imigrante italiano e alemães. Uma lástima, aqui aonde moramos, tem um povoado somente para negros, A Casca, branco não entra, mas hoje em dia já está tudo misturado.
Tu sabe que estou vendo um passeio para conhecer Salvador. Quero conhecer as lindas igrejas e a cultura do povo baiano. A tempo que sonho com essa viagem.
Tenha uma ótima semana.

Kátia disse...

Esse menino o blogue tá 'dôdio' né?não atualiza nossas postagens,tô ficando retada já,que coisa!Apois joguei as cajás na Soterópolis e só deu eu no Dique do Tororó---mas foi uma passada rápida e de carro---fiquei mesmo pros lados do Litoral Norte dessa vez,cheguei aí dia 29 e voltei dia 3/4...foi muito rápido,mas deu para recarregar as energias.Saí do aeroporto dei uma passada em casa,depois fui direto pra Jauá uma confraternização de uma amiga da familia e em seguida fui me 'esconder' em Sauipe,eta coisa boa!

Amei esse post esse menino!Dá gosto ter nascido na Bahia,ô terra boa môpai!É por isso que sempre exalto as maravilhas da minha querida Soterópolis.

Beijo e cheiro pa tu!

Kátia disse...

Ah!E eu já lhe disse que tenho esse disco do Caetano?Já cantei essa música também,tenho que arranjar um jeito de compilar as canções que 'testei' em minha voz pra passar pra você.E a rádio até hoje espero você dar as coordenadas que disse que ia fazer,rai ai vúh!

=p

O Sibarita disse...

Ah mande as músicas, vc com tantas tarefas como vai trabalhar na Rádio sua menina? kkkkkkkkkkkkkkkkk

Se faltar ao serviço demito, viu? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

To doido para ouvir sua voz! kkkkkkk

Ah eu quero! kkkkkkkkkkk

Ficou em Sauípe foi, hum tá toda prosa! kkkkkkk Ô delícia! kkkkkkkkk

O Sibarita

Kátia disse...

"Sempre só eu vivo procurando alguém "Escutando Noite Ilustrada......saudades da Bahia!

Kátia disse...

É mesmo esse menino...deixe eu 'desabafar' um pouco porque agora tá avexado o negócio.......e eu vou enviar algumas(poucas) canções também que estou te devendo.

Fiquei em Sauipe tirando onda de turista,ópraisso!
--perfume de gardenia---por isso que não consigo desligar a Rádio e sair daqui...tenho que dormir!Aimôpai! hahaha