sábado, agosto 29, 2009

AMOR (RÉQUIEM)

Amor (Réquiem)

Em qualquer noite, qualquer dia,
Apago o teu coração, o teu olhar.
Mato o desejo e no riso da agonia
Deixo gota a gota o amor sangrar...

Na pré-coma... na coma profunda
Corto o oxigênio e no estado terminal
Uma flor na lapela da dor que se afunda
E no descanse em paz farei o teu funeral!

Cremarei tudo: o amor, a paixão e a dor.
E sob a noite fria, sem lua, um pandeiro
Alforriado rufará sobre o mar desolador
Onde jogarei as cinzas à luz de candeeiro!

Farei-te orações daquele meu antigo sonhar
E olhando o horizonte como desejo derradeiro
Será na missa de sétimo dia sob a lua de *Jauá
Que chorarei às estrelas por esse amor arteiro!

De luto mostrarei ao luar os sonhos que em ti sustentei
Transformarei em silêncio o presente das lembranças
E cortarei em mil pedacinhos o tempo em que te amei.
Oh, Deus! A porta entreaberta, ainda, range de esperança.

E, no entanto, o réquiem dessa paixão cortada ao meio
São versos fúnebres... Busco em ti o desejo que se lança
Em mim falta a metade inacabada do teu coração alheio
Por não saber se esse meu querer o teu amor alcança!

O Sibarita

*Jauá, lugarejo de praia com luar muito bonito, Cidade de Camaçari/Ba. Litoral Norte de Salvador.

19 comentários:

A Senhora disse...

Tão dolorido...
E no entanto... o que ela poderia lhe responder se o seu amor realmente não lhe alcança? Talvez um beijo na testa e um olhar carinhoso de quem parte para sempre.
É... talvez...

beijinhos

Uma aprendiz disse...

Bom dia, Sibarita

Triste esse poema.
A partida é sempre muito dolorida, com o tempo ela se torna lembrança.
Não que deixe de doer, mas nos acostumamos com ela.
Costumo dizer que, depois do funeral, a vida segue com outras cores.
Mas temos que ser otimistas pois DEUS não fez o homem para viver só.
Se assim é, e eu CREIO nisso, com certeza um outro amor surgirá no caminho. Claro, que no tempo de DEUS. Nos resta então orar para que ELE abrevie esse tempo.

Lindo seu poema, como todos os outros. Mas esse tocou fundo no meu coração, talvez por falar em perdas.
Tomara que ele tenha sido escrito há muitoooo tempo atrás e que você já tenha superado.

Não suma, continue dividindo conosco suas emoções descritas em versos tão lindos.

um grande beijo, um ótimo domingo e uma semana abençoada pra vc.

Desnuda disse...

Querido Sibarita,

embora versos tristes, a beleza é intensa no poema que emociona. Lindo demais este apaixonado lamento poético.


Carinhoso beijo, lindo domingo e uma semana perfeita para voce.

Bandys disse...

Siba,

Triste, mais os poetas vivem de sentimentos e esse é um dos poemas mais bonitos que ja li. Porque escreveu com a alma. Putzzz!!

Amigo, não permitas que a tristeza te domines; mas, se te sentes dominado, ergue-te de novo.
Ainda que o teu sonho seja desfeito, tens o direito de sonhar de novo.
Imagina que em ti ainda resta a grandiosa energia.
Para aquele que sonha, este mundo é sempre um novo mundo.
Amigo, não te permitas cair, mas, se caíres, levanta-te de novo.
Ainda que percas a confiança, ainda que fracasses naquilo que tentas, não te permitas cair totalmente.
O sonho é o viveiro da esperança.
No imenso viveiro do sonho nascem tenros rebentos de esperanças, e os brotos crescem alimentados pelo sonho.

Um dia vou conhecer Jauá, e ver este luar que tanto te fez amar!!

Beijos no coração

paula barros disse...

Vige, que poema triste, doído, de estraçalhar coração até de quem não tem.

E a lua de Jauá, que foi palco de tantos poemas de amor, de tantos sonhos, de tantos gemidos de paixão, caminhadas de mãos dadas...agora será testemunha desse funeral, de um amor despeçado.

Poéticamente muito bonito, mas de uma tristeza triste.

beijo

Regina disse...

Olá meu querido e doce amigo Sibarita.
Esse poema me emocionou e muito...
Não sabia que dentro desse seu coração tão gigante morria uma paixão.
As vezes, na vida da gente gostamos da pessoa errada, vc. bem sabe disso, pois me conheces e sabe quem eu tanto amo, não me corresponde.
Mas bola pra frente, não deixes essa sua lembrança arder em seu coração, olhe a lua e o sol de Jauá com mais intensidade e calor em seu coração.
esqueças as mágoas e dissabores.
Viva e deixe seu coração viver...
Viva a vida, caminhe com a confiançaem mestre Jesus e ele te mostrará a saída.
Pode ser que eu esteja errada, mas, como poetas também vivem nas inspirações de momentos, esse poema pode ser uma realidade de sonhos.
Siba meu querido, vc. não tem mandado notícias, estás viajando?
Aguardo sua resposta.
Espero que estejas bem e curtindo Jauá.
Beijos de saudades de você e painho.
Fiquem na paz.
O sonho é uma porta aberta estreita, dissimulada no que tem a alma, de mais obscuro ,de mais íntimo.
O seu poema me comoveu, como todos que vc. escreve, pois sei o quanto seu coração é grande e puro.
Beijinhos doces, meu lindo amigo.
Regina Coeli.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Grande Sibarita,

Esse seu sabor do amor é viciante pra quem chega aqui e se delicia com suas palavras. Não é à toa que você, por onde passa, encanta.

Noite de luz, querido e adorado amigo!

Rebeca

-

Maria disse...

Amar assim será uma forma superior de sofrer?

Beijo, Sibarita

Cris Teles disse...

Triste...mas como sempre você consegue transmitir o que escreve de uma forma profunda...Me emociono sempre!
Beijos!!!!!!!

Deusa Odoyá disse...

Meu querido amigo.
Sibarita, deixo meu pensamento para vc., pois já deixei dois comentários e não entraram ou excluiram.
Anjo querido!!!
Conforme deixamos nossa própria luz brilhar inconcientemente, damos as outras pessoas permissão pra fazerem o mesmo.
È preciso que a humanidade saiba em perfeição, vivê-la.
O que me dói, não é o que há no coração, mas são essas lindas coisas que nunca podem existir.
São as formas sem forma que passam sem que a dor, as possam conhecer.
São como as tristezas, fossem árvores e de cada uma, caíssem as pétalas, entre o vestígio e a bruma!
Sinta a paz da noite
descanse ,seu corpo e alma
E que Deus,possa abençoar sempre vc. e painho.
Que sua noite seja tudo de bommmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm.

Beijinhos e fiquem
na paz do mestre Jesus.
Te adoro, meu amigo.
Regina Coeli.

Ava disse...

Meu Rei!

Quanta saudade!


E voltaste com um lindo poema!


As vezes precisamos enterrar nossos mortos, só assim a vida florecerá novamente...


Um cheiro!

Bandys disse...

Sibarita,

Só agora vi o texto de baixo, peça ao Zé Corro pra não confudir os escondrijos pelamordedeus, o meu é pobrinho mas é limpinho além de estar kits com todos os impostos. kkkkkk

Beijos

Palavras alma do poeta
são elas que expressam amor
magia e os sentimentos
mais diversos.
Na modernidade da
comunicação são
substituídas por desenhos
singelos que nos tocam o coração
mas mesmo assim a saudade
das palavras fala mais alto.
Palavras, palavras,
nos fortalece, nos ensina
a ver e sentir a alma
do poeta!

Mas às vezes nem sempre..

Ava disse...

Sibarita, que saudade, meu Rei!

Lendo esse requiém... Que vontade d matar um amor também...rs assim, assasinar sem dó nem piedade!

E depois fazer poesia...


Beijo e cheiros!!!

cristal de uma mulher disse...

Linda poesia a literatura é a presensa da lama e istio vc tem de sobra..beijos

Dri Viaro disse...

Oi passei pra conhecer seu blog, e desejar bom fds
bjsss

aguardo sua visita :)

Deusa Odoyá disse...

Olá meu lindo poeta!!!
Até que enfim deu notícias...
Uma semana de muitas realizações, paz e amor.
Que seus dias sejam sempre iluminados por mestre Jesus.
Que as bençãos do céu recaiam
sempre em painho.
beijinhos doces e saudades de um lindo e iluminado amigo.
Regina Coeli.

Oliver Pickwick disse...

Intensa e sofrida. Resvalou na legítima poesia de cemitério do final do século XIX. Há Baudelaires também na maré.
Um abraço!

biazinha disse...

Uau...siba que poema mais gó!
Lindo demais!
Beijos.

Estações da Vida disse...

Esse poema é dolorido, mas gosto dele. Muitas vezes temos que tomar decisões, como cortar os laços, as amarras, e levar o nosso barco para outras paragens...E assim é a vida, né? Beijinhos, meu amigo poeta.
Sylvia Narriman