segunda-feira, julho 15, 2013

DEDICATÓRIA

Dedicatória

Lembrar-te-ei, resguardarei os meus passos
Na suavidade das fotografias que te modula
A frequência dos vestígios, assim, me refaço
Em carne rubra de desejos que o amor regula...
 
Decifras, então, as noites que nos rodeiam
Tu por ai, o amanhecer, rumina as ventanias,
E por teu gosto me queres preso à tua teia,
Fios cândidos, tênue das horas em agonias...

Dar-te-ei uma flor e roubar-te-ei um beijo,
Tudo se diz no infinito. Entrego-me e ouço
O sussurro do anoitecer que nos cobre, vejo
Do teu olhar a melhor parte do meu corpo...

Diz-me então, se há regras, se o fogo avança
Ou se é para o teu olhar que estou correndo?
Dos olhos em que busco o amor o sol estanca
Em Jauá! Dirás que de amor estou morrendo...

Pasmo sobre a vontade do pensar e nos anis
Desse manto no coma do azul céu/lua, tateio!
Então, entrego em luz o que a boca não te diz
A chama desses versos apontados ao teu seio...

Entretanto, dos teus olhos de primavera acesa
Colho os brancos lírios, encontro cobiça e fuga.
Oh delicada estrela, não sei se a paixão é avessa

Ou se ébrio de ilusão o destino faz o caminho...

O Sibarita

11 comentários:

Olhos de mel disse...

Siba;

duvidas em versos sussurrados
amor acanhado, cuja boca não diz;
anseios, paixões, versos camuflados
traduzindo em poesia, um chamariz...

Nossa Siba, amei! Linda demais!
Beijos

Bandys disse...

Jesuisssssssssss,
Siba quendo vc escreve é de uma singeleza, de uma ternura, de uma doçura.

ADMIRO DEMAIS TEUS POEMAS que falam de amor.

Lindo, belos!

Beijos

PS amanha eu volto pra ler os outros, sei que to em falta, mais quem é vivo sempre aparece

São disse...

Lindo poema.

E mudou a casa, muito bem!

Se quiser se divertir e gosta de desafios, tem um esperando por si no "são"

Abraço grande

Uma aprendiz disse...

Boa tarde, dileto!

Quem realmente decifra o poeta? Que dirá os sentimentos.
Certa vez desejei que houvesse pena de amor para os poetas. Seria instituída a lei: O poeta que dissesse sem dizer, que floreasse suas rebuscadas linhas sem estar vivendo de fato o que escreve seria condenado à teia da paixão. Seria enlaçado com cândidos fios e ficaria preso à agonia do tempo.
De quando em vez uma fã leria seus poemas em voz alta para que seus versos lembrassem-no da responsabilidade dos que cativa.
Como açoite o réu receberia flores e ser-lhe-iam roubados beijos.
E uma voz suave, tão sua conhecida, lhe diria ao coração: se o amor é eterno viva-o.

Enfim, deu para notar que não entendi nadica da sua poesia, mas fiz uma brincadeirinha com seus versos. Puro plágio.

Beijos de sua amiga e fã

Minha vida de campo disse...

Um bela dedicatória, parabéns por mais um bela obra.
Já estou bem, menino adorei o beleza de Creuza.
Bjos e tenha uma ótima semana.

vieira calado disse...

Um poema cheio de bons momentos de êxtase e reconforto!
Gostei!
Bom fim de semana!

mARa disse...

Êta menino porreta.
Coma do azul céu/lua, queria ter escrito isso.

Sutil de uma belezura impar.

bjo grande!

LUZ disse...

Boa noite, Siba!

Como tem passado?

Agradeço as suas palavras e visita a um dos meus blogues.

Li, com atenção, o seu poema, "Dedicatória" e mais uma vez você soube "pôr o dedo na ferida", como se diz, em Portugal.

Tenha uma semana proveitosa e feliz.

Claudinha ੴ disse...

Siba... Mesmo sendo inverno, este outono de suas emoções frutifica o amor nestes lindos versos! Um beijo e obrigada pelo carinho lá no TP! Parabéns também pelos 13 anos!

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Um belo momento de amor...um vendaval de amor neste poema intenso que adorei ler.

Um beijinho
Sonhadora

Minha vida de campo disse...

Olá
passando para te deseja rum ótima sexta, cheia de luz e felicidades.