quarta-feira, dezembro 27, 2006

ANO NOVO Il

Praia de Jauá (Litoral norte de Salvador/Bahia.)
Ano Novo II

Atô, tô
Meu Pai,
Babaluaê!

Minha Iaiá, hoje é só alegria. Da flor do teu silêncio
Coloquei o meu bloco na rua é ano novo na Bahia!
Peço-te, então, uma das tuas máscaras emprestada,
Para compor o meu manto de Sibarita à tua revelia...

Ôie! Acorda cidade, clamai aos deuses libidinosos.
É o ano novo! O sol todo nu se abre obscenamente
E penetra no hímen da praia de Jauá. À noite, a lua
Enciumada me toma aos beijos despudoradamente.

Ai! Mostro a cara, caio na gandaia e no dever do oficio
Meu humano coração é de todas as meninas. Em cena
Fundo tudo num só afago e nos desejos do meu vício
Estou leve, livre e solto entregue às moças obscenas...

Mas, amor, leia as noticias, veja as fotos pelo jornal,
Sob o esplendor da lua as minhas estripulias, não ria!
Sou o Sibarita do amor dúbio. Neste tempo de bacanal
As donas moças são alegrias no teu silêncio da agonia...

Oh, sim! Meia noite. Bebo todas, a lua, debochada e fina
Faz-me o fogo dos pensamentos, atiro-me nas chamas.
Ébrio, rio, deliro, beijo tua boca nos lábios das meninas
De carnes atiçadas em cada barraca na seiva da tua lama.

É que no afrodisíaco da libido a noite em desejo é bendita
Nos orgasmos venais dessas moças cheias de má intenção.
Solidário ao teu silêncio (Ai meu Deus!), sou o teu Sibarita
Enviando-te as noticias nas entrelinhas dessa profanação.

Queria tê-la ao meu lado de roupa branca toda molhada.
Não finjo esse desejo e no ensejo deste meu dia de folia
Em que os meus gozos orvalham nos meandros o ano novo
Da urgia, peço-te então, data vênia pelo carnal da alforria!

O Sibarita

8 comentários:

Anônimo disse...

Isso aqui é baianidade ou poema? Fiquei na dúvida... mas como o autor é Sibarita...poderia ser diferente?
Como baiana que sou, digo: baianidade não é! Mas, um certo baiano um dia disse que "uma lata existe para conter algo, mas quando o poeta diz LATA, pode estar querendo dizer o INCONTÍVEL". Então, em benefício da licença poética, poema pode ser.

Leticia Gabian disse...

Ler o Siba é como ler a versão atualizada de um outro baiano, poeta maldito - Gregório de Matos e Guerra - O Boca do Inferno.

O lirismo erótico tem uma receita exata e é para poucos. O Siba é um desses e me encanta por conhecer a medida certa dessa qualidade de escrita.

Sábado tô de volta.

Beijão, amigão.

Jofre Alves disse...

No Minho temos um ditado popular que diz que «maior é o ano que o mês», por desejo a maior felicidade para o ano 2007.

Anônimo disse...

Bela poesia Sibarita.

Desejo-lhe uma no de paz e prosperidade, saúde e segurança, amor e conforto.

Beijos prósperos.

Anônimo disse...

______0___o__o__o0_0__o_o__0
_____0___o__o_o__0_0__o___o__0
____0_o___o___o__0_0___o___o__0
____00o0000o00o0o0_0o00o00oo0oo0
___o00o0o00000o000_00o0o00o0o00o0
___00000o000o000o0_000o000o0000o0
___0o00oo00o0o00o0__0000o0o0o00o00
___0o0o00000o00o0___000o0o0o0o0o00
____0o0o0000o0o0_____000o0o00o00o0
_____0000o0000________ 00o000o000
______0000000___________0000000
________00__________________00
_______00____________________00
______00______________________00
_____00_______TIM_TIM__________00
____00___FELIZ 2007______ _____ ___00
_000000________________________000000


BEIJINHOS E DIVERTE-TE NA PASSAGEM DO ANO :)

Maria Muadié disse...

Pois é, somos baianos!
Menino, se arrancarem o poste a gente planta uma árvore só para amarrar poesia.
Um abraço,
Martha

Fred Neumann disse...

Caríssimo Sibarita arretado de bom,

Lendo teus versos sinto que todo brasileiro deveria ser do seu Estado de origem, e da Bahia.
A alegria inconteste que ele nos passa, a leveza lírica, a diversão garantida, a tradução do clima das subidas e descidas das ruas de Salvador, isso tudo tá dentro aé desta sua belezura de poema, que maravilha.

Que sua passagem de ano seja com muita paz e amor. Com este poema, tenho certeza de que muito disto estará garantido.

Não sei se já falei, mas nossa recente amizade blogueira será um dos presentes de 2006 que levarei comigo.

Grande abraço,

Fred

Ghiza Rocha disse...

Oi meu Rei! Adorei um pouco de baianidade! E olha que sou filha de Obaluaiê!
Feliz Ano Novo e que vc continue escrevendo poemas para a minha varanda imaginária...