quinta-feira, janeiro 21, 2010

SUCURI

Sucuri

O amor balança por entre os teus olhares
Se renascemos no novo, desejos são asilos
Não apenas agora, no amanhã, os detalhes
Serão luzes brandas filtrando dos resíduos...

O amor, sim, o amor, mas, o que é o amor?
São quereres, são desejos ou são enuncias?
Meu bem, por vezes é perdão, rocha e flor
Se tudo expande no luzeiro das renuncias...

Assim, a luz trazendo as bem-aventuranças
Na rotação do horizonte o tempo é todo teu
Descortinando o azul, o cinza e suas nuanças
É que no signo do futuro a realidade sou eu...

Oh, sei quantas vezes te querendo me apareço,
Mesmo que me envolvas em equívocos castos
Vibro, exclamo o teu nome! Em e de ti padeço,
Se não ficas, em círculos de névoa me desfaço...

Acerco-te a passos lentos sentindo o teu canto,
Em mares de aspirações me afogo nessa paixão.
Sei, os dias são quereres e estandartes brancos
Hasteados na sacada do meu e do teu coração...

À presença do amor por ter o tudo e na plenitude
Dos suspiros, dos anseios o amor não é o resumo
É história! O amor é. Está. Tem tu própria! Amiúde
Vislumbro-te, delimito-te, viro sucuri, te engulo...

O Sibarita

17 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

É, meu caro...
O amor está e é.
Não há como definir, como medir, como decifrar.
Só a presença da amada para nos fazer absorver esse sentimento e nos deixar levar por ele.
Viver com e por ele.

Beijo.

(sumiu, humpft)

paula barros disse...

Uma sucuri risonha, amiga, legal, poeta, bondosa, amorosa, bem humana....e olha que deve ter muita presa querendo ser comida por essa sucuri....rsrsr

Fio Sucuri, está belíssimo o seu poema. O amor envolve tantas nuances, que talvez só virando sucuri mesmo.

beijo

Desnuda disse...

Querido Sibarita,


um poema de amor que passa serenidade, equilíbrio: coração e razão. Mas com paixão! Lindo e intenso. O amor é mesmo uma história e não um resumo. Bonito de ler e sentir!


Beijos, com carinho, querido amigo!

Uma aprendiz disse...

Oi, Sibacuri, ou seria Sucurita?

Ah, o amor!
Não há delicia maior que amar, que buscar o amor, que doar amor, que compartilhar e receber amor.

Parabéns por mais esse belíssimo poema!

Fico encantada com o dom dado aos poetas, escritores, compositores e cantores de nos tocarem a emoção.

Só pode ser "encantamento" esse poder de uma mesma frase ou texto falar com cada pessoa que lê,como se tivesse sido escrito especialmente para ela.

Quando li a segunda e a última estrofes, na hora, me veio a mente o capítulo 13, do II livro de Corintios, que fala do amor ideal e perfeito que deve ser almejado por todos nós.

Fora essa viagem espiritual que me causou kkkkk Adorei esse finalzinho:

"Vislumbro-te, delimito-te, viro sucuri, ti engulo...."

Muitas vezes, com palavras não conseguimos explicar o quanto gostamos ou a forma. Então, só engolindo mesmo para que o outro não se perca de nós. kkkk

Ai,ai, cadê meus sais?


beijos, de sua amiga paulista

SAM disse...

HAHAHAHAHAHAHAAHAH Bom fim de semana, Sibacurita! Adorei esta!

Beijos !

Pena disse...

Notável Poeta Amigo:
Um delicioso e soberbo poema de amor, saído do seu sentir as musas de sonho.
Fantástico.
Tem uma sensibilidade gigantesca.
Versos que criam um instante de pura e bela poesia.
Maravilhado por tanta magia poética no seu coração ENORME.
MUITO OBRIGADO pelo que fez comigo hoje de simpatia e de amabilidade pura em palavras tão sensíveis e extraordinárias no meu blogue.
Abraço de amizade e respeito.
Sempre a admirar o que "confecciona" com pleno brilhantismo do seu sentir perfeito.

pena

Bem-Haja, amigo poeta notável.
É um ser DIVINAL!

Heat disse...

Vi esse nome, O Sibarita, num blog, fazendo um comentário. Achei mega curioso, vim ver o blog. Poesia bonita!

Fui olhar no wikipédia se existia essa palavra Sibarita. É existe. Aprendi o que é. Pessoa urbana de gostos refinados.

São disse...

O que é o amor? Algo que nunca me calhou na vida.

Bom fim de semana.

VANUZA PANTALEÃO disse...

"...o amor não é resumo é a história!" A história de um grande amor bem caberia mesmo no bojo de uma Sucuri intergalática, metafísica, bem pra lá de tudo que nossos pobres sentidos sentem.

SIBA, TU ÉS POETA!
(nada mais pode ser acrescentado)

Obrigada pelo teu carinho!!!
Te gosto demais!!!Bjsss

Olhos de mel disse...

Poxa Siba; no fogo dessa paixão me emocionei, nos teus versos cheios de desejo e carinho, teu coração vislumbrei...
Lindo, doce, apaixonante!
Bom fim de semana! Beijos

b disse...

Você - Sucuri engolindo seu amor, fez-me lembrar da época em que minha filha morou em Rondônia e por uma estrada não muito distante da cidade, parou o carro para que uma Sucuri faceira , lânguida e lenta, atravessasse a tal estrada.
Quem vinha em outros carros fez o mesmo e daí que imagino a cena da Sucuri desfilante , talvez como o amor que desfilas e desfias com tanta originalidade.

Dani disse...

oii Sibarita!! =)
obrigada pela visita! fiquei feliz com o seu comentário! venha sempre que quiser pra deixar sua impressão sobre os textos ok... dúvidas, sugestões, críticas, elogios... o espaço é aberto! rss
então, não entendi a sua pergunta
rss se quiser explicar, fique à vontade, gostaria mto de respondê-la... e se foi só uma tirada cômica, desculpa, sou um pouco lerda às vezes pra entender rsrs


---

noh, mto bem trabalhado o seu texto. Gostei de verdade! melhor que falar sobre o amor é vivê-lo a cada dia né!! pois bem.. vivamos!
o amor às vezes é tanto que somos capazes de engolir o outro kkk
nunca tinha pensado dessa forma, mas acho que é quase isso =p

voltarei!!
beijo grande =)

até

Cris Teles disse...

Esse tal de amor é danado né?
Como sempre, belíssimo poema!!!!!
Beijão!

Bandys disse...

À presença do amor por ter o tudo e na plenitude
Dos suspiros, dos anseios o amor não é o resumo
É história! O amor é. Está.


É isso Moço!!

Virar sucuri?

Sei não!!

Beijos

Sandra disse...

Agradeço o seu carinho e retribuo a sua amizade.
Passe no blog da Curiosa e pegue acesso aos blogs Poetas um Voo Livre e Sinal de Liberdade.
Tem selinho lá para vc.
Te espero.
São bem especiais.
Com muito amor eu te espero lá.
Sandra

Guacira Maciel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Guacira Maciel disse...

Oi, querido...
diante da certas humanidades, exposições do ser tão íntimo, muito pouco de deve dizer, para não interferir no brilho, na pureza...
Destaco "em e de ti padeço,
se não ficas em círculos de névoa
me desfaço..."
Beijo, Guacira.