terça-feira, abril 17, 2012

O AMOR...

O Amor

O amor, sim o amor nasce fruto, rocha, perpétua.
Ao tempo árido, descompassa, satura o coração
Converte-se em feridas, lágrimas, põe a dor nua,
Na aridez dos silêncios vira chagas, convulsões...

O amor surge, brota na estiagem ao léu, indene.
Parido dos olhares fulminantes, germina indolor
Como cachoeira sinfônica correndo ao rio perene.
Ao fim, é adaga cortando o cerne deixando a dor...

O amor é artifício bélico na arte marcial de amar,
Estratégia do imo é lança chamas e alimentação.
Insaciável na fome e na sede é volúpia no gozar
Dos desejos, capturado, se entrega em confissão...

O amor corre a carne nos sussurros dos arcanos.
Ardente, vai da cobiça a luxúria dos gozos plenos
Cortejando céus, luas e sóis. Fogoso, fica insano,
Na essência do fogaréu se conflagra nos acenos...

O amor é tudo e mais aquilo: fogo carnal, saciedade
Acendendo a libido adormecida, vontades do íntimo,
Suspiros dos ais e uis: entregas, clímax, voracidade,
Infinito de céus e estrelas em melaços de flor e lírio...

O amor é pólen e mel, primavera dos apaixonados,
Dos suspiros ávidos e quentes, céus dos arquejos.
Réstia em espasmos abiscoita o apogeu nos afagos,
Bocas burilando as línguas se deliciam aos beijos...

O Amor de raio a raio todos os corações ilumina,
Cupido que é, as vezes, nasce banal e sem regar
É arsênico, veneno, murcha aos poucos, fulmina.
Indefeso, procura nos contravenenos se banhar...

Afinal, o que é mesmo o amor? Se não a estima
Elevando os sentimentos galanteados e viçosos.
Quase todo amor nasce de lutas recentes, findas
É soldado conhecedor de cada canto, belicoso...

O amor é cheio de truques põe na mesa as cartas,
Bom jogador que é, tem mil um ardis nas mangas.
Fogo essencial e ardente do desejo o olhar delata
Mas, ao menor desafio da era: descamba, sangra...

O amor é mágico, na cartola a varinha de condão,
Ilusionista transforma tristezas e lágrimas em flor.
Carente, faz estripulias nos trapézios do coração
Acrobata, renuncia ou então, o amor não é amor...

O amor é concubina nos esconderijos das cobiças
Por vezes se apresenta de burka, o amor é amor?
É despenhadeiro colateral em mar de lama e atiça
Aos breus. Enfim, o que é o amor? Dizes tu leitor...

O Sibarita

7 comentários:

Olhos de mel disse...

Oie Siba, que poesia, heim? Versos lindos, cheios sentimentos controversos, onde permeia duvidas e questionamentos...


O amor é luz que ilumina o caminho
é flor que desabrocha em cada manhã;
é ansiedade latente e tão postergada,
lua que brilha e encanta a madrugada...

Mas é também a luz que ofusca,
a flor ao sol de verão que murcha
na incompreensão da razão sublimada,
mas é também indecisão amargurada.

O amor é saudade, desejo e angústia,
alegria, espera, tristeza, tudo enfim...
porém, ele é razão, beleza e paixão,
dos sonhos partilhados cheios de tesão.

Beijos

Olhos de mel disse...

Siba por favor poderia colocar um "m" na palavra permeia, que esqueci?
Obrigada, viu?
Beijos

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Cantar o amor assim...... É tudo que qualquer mortal sonha.
E sonhando vamos levando, alimentando a alma com belos dias d outono e poesias .......cantar o amor..... Se fosse possível......
Martha
Um abraço um carinho.

Uma aprendiz disse...

Oi Siba,

Emocionante sua poesia. Linda!
Lendo, confirmei o quanto é difícil falar sobre o amor. Pra mim, Ele é dualidade. Ele é carência de cuidado, de atenção, de presença. Não só presença física, mas presença emocional. Amar é querer ser notado, é querer ser necessário.
Muitos até se arriscam a chamar de "cara metade", "almas gêmeas", enfim, acredito que apesar de nos sentirmos completos querer ao outro nos melhora. É fascinante nos ver pelos olhos do outro.
É querer estar perto na hora da alegria e da dificuldade. É ser grato do outro se lembrar da gente mesmo em uma situação em que não deveria lembrar-se nem de si mesmo. É dizer: estou mal, não sinto vontade de nada, mas queria te dizer que te amo, mas preciso estar só agora.
É sim, ter medo de perder. É posse. É exagero. É ciumento. Mas, acima de tudo, é libertário. Amar é se entregar, se revelar. Se descobrir outra pessoa. Uma pessoa que quer o bem do outro, mesmo que esse bem lhe doa e signifique afastar-se. É jamais esquecer o dia que ele arrumou uma tomada em casa, consertou uma pia, tomou café com você, fez amor, queimou a comida, salgou o macarrão, lhe desembrulhou uma bala, enfim, tantas coisinhas que se tornam enormes na distância. É lembrar com carinho que o outro deixou de te beijar, deixou de lhe propor qualquer besteira, deixou de segurar sua mão ao caminhar, que deixou de te querer. Amar é querer o outro como a si mesmo. É rir-se das tolices do outro. É querer abraçar só pra estar perto, grudado. É, mesmo não estando juntos, é ficar atento aos seus movimentos, as suas mudanças de humor e atitude. É querer ser a guardiã das emoções do outro, e mesmo sabendo que isso é impossível, se pegar lendo suas coisas, passar um e-mail, ligar só pra ouvir a voz do outro.
Amor é colocar pra fora o que lhe vai ao coração. É escrever poesias...... como você faz.
Pois sei que escreves COM e POR amor.
Como leitora, agradeço-te pela parte que me cabe. Como amiga e fã, como sou, permita-me dizer.... TE AMO.

Vanuza Pantaleão disse...

Siba, meu amado amigo, após esse versejar gostoso, quente, ardoroso de tanto amor e de tantos jeitos de amar condensados. Doce como doce de leite condensado. Depois de tudo, como leitora e admiradora tua, escuso-me de fazer-te quaisquer indagações. Saio daqui agradecida pelo teu carinho, desejando-te uma bela noite só de...amor!
Beijos, te adoro!!!!

Anônimo disse...

Oi Siba querido amigo...
O amor pra mim é tudo nessa vida.
O amor compartilhado, o amor fiel, o amor romantico, o amor que se deita ao lado de sonhos, o amor ao proximo e não só o amor de sexo.
A entrega de almas para se completarem.
assim eu defino o meu amor.......
Uma semana de bençãos e paz. beijinhos amigo.
Regina coeli

Desnuda disse...

Querido Sibarita,

Ahhhh o amor!!! Somente este sentimento maior pode encantar infinitamente a todos em todas as artes. O poeta sabe escrever lindamente porque sente, sabe passar este sentimento em versos e conhece as manhas do amor. Maravilhaaa Siba!!!

Do amor, sei que sinto e adoro amar. E quem não?

Beijos com carinho