quarta-feira, dezembro 12, 2012

BUGANVÍLIA

  Buganvília
 
Diva, na caridade dos sentidos a ternura inflama,
Acende-se e caminha nas entrelinhas da estação.
O amor denso, castiço ajunta a clareza da chama,
Da primavera, das borboletas. Brisa do coração...
 
Quando o teu amor por acaso se despojar de mim,
Vestirei a couraça do céu na harmonia dos ventos.
Cavalgarei no avesso da paixão deste poema de ti,
Ao coração que permanece e expira nos silêncios...
 
Pois, é tempo de compreender a lucidez do amor,
Abrir as cortinas/janelas e admirar as buganvílias.
No vago do teu olhar abriga-se, se desfolha a flor,
O peito que se apaga junta os cacos das estilhas...
 
A galope, o amor volta curvado, entre, espinhos.
Mas, em mim, a conspiração do teu olhar corrói,
Os pássaros sibilam, o dilúvio bebe do teu vinho,
Comei o pão, há querer. E, não há ti. É amor e dói...
 
Eis o satélite de suspiros que nos é apresentado.
O poeta abre o seu arquivo: dor, alegria e alento,
Ao separar a luz das trevas no que fui teu amado,
 Desfloresce a paixão, ecoa a primavera ao vento...
 
O Sibarita


NEGROS, HERÓIS BRASILEIROS


MÃE ANINHA


ATAULFO ALVES

9 comentários:

Olhos de mel disse...

Siba;

nas tuas doces palavras
bebi do teu vinho,
provei o teu sabor.
Sorvi todo sentimento guardado,
que envolve o teu amor.
Lindo, doce, maravilhoso!
Beijos

MINHA VIDA DE CAMPO disse...

Que poética e romântica descrição do amor. Lindo poema e fizeste uma bela comparação.
Tenha um ótimo dia.

Uma aprendiz disse...

Oi, Siba

Como não conhecia esta flôr fui pesquisar no pai dos burros kkkkkkk

Descrição: A Buganvília é uma trepadeira comum em Portugal, cujas flores no Verão atraem a atenção de quem passa onde quer que se encontre. A mais comum é a de cor roxa, mas nos anos mais recentes podem facilmente encontrar-se outras cores em qualquer viveiro. O seu nome provém de Louis Antoine de Bougainville, capitão de navio, advogado, matemático e explorador, que se juntou à armada francesa por volta de 1767 no Canadá, onde viria a conhecer e a fazer amizade com Philibert Commerson, viajante e botânico francês que em 1760 viajava ao serviço de Sua Majestade e veio a descobrir esta planta no Brasil, de onde é originária. Daí o nome de Bouganvillea.

Isso explica tudo kkkkkkk

Linda sua poesia.

beijos

Bandys disse...

Confesso que li a aula da Aprendiz pois embora conheça a arvore, não sabia da sua historia.
E seu poema é uma beleza... comparar o amor a estonteantes buganvílias. Assim como os espinhos a dor do poeta, a alegria de ver florescer e mostrar a paixão nas cores que as vezes vem fortes.

è poeta, belo poema, tu paixonou foi? kkkkkkkkkkkkkkkkk

Beijos

LUZ disse...

Olá, Siba!

Obrigada pelos seus comentários em meus blogs. Você, se deu, por inteiro.
Há coisas/sentimentos superiores a nós, todos sabemos.

Escutei os vídeos, com a devida atenção e Mãe Aninha, me pareceu uma atriz brasileira, cujas novelas têm passado em Portugal.
Se calhar, mera coincidência.

Seu poema é grandioso, embora se revele um pouco sofrido: "É Amor e dói", como afirma nele.
O amor sofre, como é natural, um abanãozinho, de vez em quando, até para se poder ver a sua resistência e veracidade.
Se volta, então ele tem "pernas pra andar", como se diz, vulgarmente. Ele é verdadeiro.

Conheço a bunganvília, embora no aspeto da Botânica pouco saiba dela.
As suas leitoras, já fizeram o favor, de me explicar, um pouco mais.

É uma flor muito bonita e se agrupa em três conjuntinhos, daí, se chamar de três-marias, também.
A sempre lustosa, santa rita e flor de papel, são outras denominações, que tem, também, esta flor, que é toda "vossa" (aliás, ao sul de Minas Gerais há uma que mede 18m).

Na zona onde eu nasci, há muitas, sobretuido roxas e brancas e há centros de solidariedade social, para crianças, adolescentes e famílias, em risco, com o nome de Bunganvília. Lindo demais.

Começa seu poema, com a palavra DIVA. Gostei. Penso que seu "eu-lírico" se refere a sua amada e não à bunganvília.
Quando terminar o amor, sua alma cavalgará no avessso da paixão. Então, posso concluir, que a paixão ainda existe, embora, EM SILÊNCIO.

O olhar dela, da amada, é conspirador e isso corrói seu peito.
Abra o arquivo e mostre pra ela tudo o que há por lá: amor, pranto, loucura, furor. É isso, que o coração contém.

"Fia" eu sei o que significa. É um termo muito carinhoso, muito terno e envolvente, mas aqui, em Portugal, é uma forma do verbo fiar, no Presente do Indicativo: eu fio, tu fias, ele fia... (rss).

Minhas férias começarão dia 23 desse mês e não vou viajar, não. Ficarei, em casa, relaxando, escutando boa música e fazendo limpezas, caso o tempo o permitia.
Tem chovido muito e ventado.
Eu sou do signo VIRGEM, como tal, tudo tem de estar, simétrica e cirurgicamente arrumado.

Sofro, quando vejo desalinho.

Tenha um resto de dia, como você merece, com amor.

LUZ

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Passando para agradecer a carinhosa visita e palavras no meu aniversário.
E gostei muito do que li por aqui, resolvi ficar para voltar mais vezes e com tempo para comentar como merece.

Um beijinho
Sonhadora

Naty Araújo disse...

Sempre há de ter a dor nos corações dos poetas.
Encantei-me com tua poesia, nesse embebedar de vinhos, doces, profundos e tristes.

Teus versos encantam, mesmo no despertar de tamanha dor.

Ah, Sibarita, aquele texto meu, o anterior ao da poesia, escrevi ano passado. Geralmente não escrevo coisas minhas não, são coisas que penso, que vejo, enfim, rs.
A poesia sim, teve tamanha realidade, o conto não, não mesmo. Ainda bem rs.

Um abraço.

Moça disse...

Teu post é só cultura!!!!
adorei!!!!
buganvilla!

boa semana!
bjooooooooo

opinandoemtudo.blogspot.com.br

David C. disse...

La poesía siempre acaricia las almas.

Felices Fiestas! Éxitos el 2013.