terça-feira, dezembro 04, 2012

OYÁ! SALVE IANSÃ!


Rita Ribeiro e Maria Bethânia cantando Iansã de Gil e Caetano.
 
DESLIGUE A HUMAITÁ AO LADO.
 
Oriki
  
Eparrê Iansã! Fia, cadê você com o amuleto de Xangô?
Oyá! Fiz oferenda: Milho branco, arroz, feijão e acarajé.
Para a Deusa dos ventos, das tempestades, toco agogô
Chamando seus desejos de entregas, tô todo a migué...
  
Ô dengo dos olhares desertos em firmamento nublado,
De joelhos, pago promessa à dona dos ventos e trovões.
Relampejou, viu dengosa? Eu tô todo avexado e retado,
Saravá! No auê dos néctares quero você na minha mão...
 
 Minha Oyá quero essa nega e com ela a vida virar ardor, 
Sem tempestades, traze-me a dona moça do casto olhar.
Piriguetezinha, cheia de nove horas, estrela e toda flor,
Aimôpai! Seu corpo: ervas omin ojú para me enfeitiçar...

 Ô mãe! Seu nego aqui tá todo porreta na boca de espera
Tá piripicado, farei mil e um agrados, viu? Vá imaginando
Bom, né? Você toda entregue, bem assim, safadinha, fera.
Mas, você não é cobra, é? E por que quer vir rastejando?
 
 Venha mainha, meu amor, minha bulimia, minha sede,
O seu nome tá desfraldado no andor, esplendor ao léu.
As flamas: vaidade da sua carne desnudada numa rede 
É carne na carne: erupções em lavas de gozos, ó céus...
  
O Sibarita
 



Baianês:
 
Eparrê Iansã e Oyá – Saudação a Iansã em Iorubá
A migué – A vontade, sem compromisso.
Dengo – Chamando a mulher que se quer carinhosamente.
Dengosa – Mulher que faz muitos agrados ao seu homem.
Avexado, retado – Homem agoniado, não quer perde tempo.
Saravá – Bem vinda (o).
No auê – No amor.
Piriguetezinha – Mulher danada, mulher delícia.
Aimôpai – Ai meu pai.
Omin Ojú - Tipo de erva que Iansã gosta. 
Ô mãe - Ô mulher.
Seu nego aqui tá todo porreta na boca de espera – Seu homem está todo bonito na espera.
Tá piripicado – faça fé, acredite.
Toda entregue – Toda desejosa.
Todinha fera - toda Gostosa, toda boa.
Venha mainha - Venha meu amor.
 
CONHEÇA MAIS IANSÃ
  
Deusa da espada de fogo, Dona das paixões, Iansã é a Rainha dos raios, dos ciclones, furacões, tufões, vendavais. Orixá do fogo, guerreira e poderosa. Mãe dos eguns, guia dos espíritos desencarnados, Senhora dos cemitérios.

Não é muito difícil depararmo-nos com a força da Natureza denominada Iansã (ou Oyá). Convivemos com ela, diariamente.

Iansã é o vento, a brisa que alivia o calor. Iansã é também o calor, a quentura, o abafamento. É o tremular dos panos, das árvores, dos cabelos. É a lava vulcânica destruidora. Ela é o fogo, o incêndio, a devastação pelas chamas.

Oyá é o raio, a beleza deste fenômeno natural. É o seu poder. É a eletricidade. Iansã está presente no ato simples de acendermos uma lâmpada ou uma vela. Ela é o choque elétrico, a energia que gera o funcionamento de rádios, televisões, máquinas e outros aparelhos. Iansã é a energia viva, pulsante, vibrante.
 
Sentimos Iansã nos ventos fortes, nos deslocamentos dos objetos sem vida. Orixá da provocação e do ciúme.
 
Iansã também é a paixão. Paixão violenta, que corrói, que cria sentimentos de loucura, que cria desejo de possuir, o desejo sexual. É a volúpia, o clímax, o orgasmo do homem e da mulher. Ela é o desejo incontido, o sentimento mais forte que a razão. A frase "estou apaixonado" tem a presença e a regência de Iansã, que é o Orixá que faz nossos corações baterem com mais força e cria em nossas mentes os sentimentos mais profundos, abusados, ousados e desesperados. É o ciúmes doentio, a inveja suave, o fascínio enlouquecido. É a paixão, propriamente dita.

Iansã é a disputa pelo ser amado. É a falta de medo das conseqüências de um ato impensado, no campo amoroso. É até mesmo a vontade de trair, de amar livremente. Iansã rege o amor forte, violento.
 
Oyá é também a senhora dos espíritos dos mortos, dos eguns, como se diz no Candomblé. É ela que servirá de guia, ao lado de Obaluaê, para aquele espírito que se desprendeu do corpo. É ela que indicará o caminho a ser percorrido por aquela alma.

Iansã é a deusa dos cemitérios. Ela é a regente, juntamente com Omulu (ou Obaluaê), dos Campos Santos, pois comanda a falange dos eguns. Comanda também a falange dos Boiadeiros, encantados que são cultuados nas casas de Nação de Angola. Ela é sua rainha.
 
Como deus dos mortos, Iansã carrega consigo o eruxin, feito com rabo de cavalo, para impor respeito aos eguns, bem como a espada flamejante, que faz dela a guerreira do fogo.
É, sem dúvida, o Orixá mais popular e a mais querida no Candomblé.
 
MITOLOGIA
 
Embora tenha sido esposa de Xangô, Iansã percorreu vários reinos e conviveu com vários reis. Foi paixão de Ogum, de Oxaguiam, de Exu, Conviveu e seduziu Oxossi, Logun-Edé e tentou, em vão, relacionar-se com Obaluaê. Sobre este assunto, a história conta que Iansã percorreu vários reinos usando sua inteligência, astúcia e sedução para aprender de tudo e conhecer igualmente a tudo.
 
Em Ire, terra de Ogum, foi a grande paixão do guerreiro. Aprendeu com ele o manuseio da espada e ganho deste o direito de usá-la. No auge da paixão Ogum , Iansã partiu, indo para Oxogbô, terra de Oxaguian. Conviveu e aprendeu o uso do escudo para se proteger de ataques inimigos, recebendo de Oxaguian o direito de usá-lo. Quando Oxaguian estava tomado pe paixão por Oyá, ela partiu.

Pelas estradas deparou-se com Exu. Com ele se relacionou e aprendeu os mistérios do fogo e da magia. No reino de Oxossi, seduziu o deus da caça, mesmo com os avisos de sua mulher, Oxum, que avisara ao marido do perigo dos encantos de Iansã. Todavia, com Oxossi, Oyá aprendeu a caçar, a tirar a pele do búfalo e se transformar naquele animal, com a ajuda da magia aprendida com Exu. Seduziu o jovem Logun-edé , filho de Oxossi e Oxum e com ele aprendeu a pescar.
 
Iansã partiu, então, para o reino de Obaluaê, pois queria descobrir seus mistérios e até mesmo conhecer seu rosto (conhecido apenas por Nanã – sua mãe – e Iemanjá, mãe de criação). Uma vez chegando ao reino de Obaluaê, Iansã tratou de insinuar-se:

 - Como vai o Senhor das Chagas?
 
No que Obaluaê respondeu:
 
- O que Oyá quer em meu reino?
 
- Ser sua amiga, conhecer e aprender, somente isso. E para provar minha amizade, dançarei para você a dança dos ventos!
(Dança que, por sinal, Iansã usou para seduzir reis como Oxossi, Oxaguian e Ogum).
 
Durante horas Iansã dançou, sem emocionar ou, sequer, atrair a atenção de Obaluaê. Incapaz de seduzir Obaluaê, que jamais se relacionou com ninguém, Iansã então procurou apenas aprender, fosse o que fosse. Assim, dirigiu-se ao homem da palha.
 
- Obaluaê, com Ogum aprendi a usar a espada; com Oxaguian, o escudo; com Oxossi aprendi a caçar; com logun-edé a pescar; com Exu aprendi os mistérios do fogo. Falta-me apenas aprender algo contigo.
- Você quer aprender mesmo, Oyá? Então, ensinar-lhe como tratar dos mortos!

 De inicio Iansã relutou, mas seu desejo de aprender foi mais forte e, com Obaluaê, aprendeu a conviver com os eguns e controlá-los.

Partiu, então Oyá, para o reino de Xangô. Lá, acreditava, teria o mais vaidoso dos reis e aprenderia a viver ricamente. Mas, ao chegar ao reino do deus do trovão, Iansã aprendeu muito mais que isso... aprendeu a amar verdadeiramente e com um paixão violenta, pois Xangô dividiu com ela os poderes do raio e deu a ela o seu coração.

O fogo é o elemento básico de Iansã. O fogo das paixões, o fogo a alegria, o fogo que queima. Iansã é o Orixá do fogo...
 
E aquele que dão uma conotação de vulgaridade a essa belíssima e importantíssima divindade africana, é digna de pena e mais digna, ainda, do perdão de Iansã.

http://mariapadilhadasalmas.no.comunidades.net/index.php?pagina=1878999461

13 comentários:

Olhos de mel disse...

Eparrei minha Iansã!... salve Senhora bela!
Eita que delícia ler viu? Nossa painho, ta avexado é? Hummm ta piripicado isso é que é fogo, viu? E transparece esse ardor, na beleza dessa quente poesia.
Linda, chameguenta, delirante!...
Beijos

Olhos de mel disse...

Siba gostei de conhecer um pouco mais da história de Iansã. E a musica é maravilhosa! Gosto também da que Clara Nunes gravou; Iansã cadê Ogum? Foi pro mar...
Beijos

Naty Araújo disse...

Ô, Sibarita, ainda bem que você colocou um dicionário logo abaixo.
Estava desesperada já, pensando que estava me xingando. Tanta palavra desconhecida que deu até medo hahaha.
Esse: "Eparrê Iansã e Oyá", eu fiquei com cara de paisagem tentando ler e desvendar rs.

Amei teu comentário em meu blog.
Quem dera eu fosse tão porreta assim com os textos srsrsrs.

Um abraço (:

Naty Araújo disse...

Ô, Sibarita, ainda bem que você colocou um dicionário logo abaixo.
Estava desesperada já, pensando que estava me xingando. Tanta palavra desconhecida que deu até medo hahaha.
Esse: "Eparrê Iansã e Oyá", eu fiquei com cara de paisagem tentando ler e desvendar rs.

Amei teu comentário em meu blog.
Quem dera eu fosse tão porreta assim com os textos srsrsrs.

Um abraço (:

Uma aprendiz disse...

Oi Siba,

Como sempre, que beleza!
Fio, tô aqui... rsrsrsrsrsrsrsr
Faça mandinga não. Que medinho.
Me parece que seu dengo lhe escapou por entre os dedos. Foi, fio????
ô dó.
Ela te enfeitiçou, foi?
Siba, cuidado com o que pedes, vai que a moça volta, e aí? Será que fará mesmo esses agrados ou é só papo zero nove?
Sei não, como ariana, sou mais de ação. Respeito sua crença. Peça sim, mas que tal correr atrás do porejuizo?
Seu poema está tão chamativo. Tomara que ela leia e vá correndo pra Jauá.
Mas, se for só papo de poeta, sem nada de verdade, saibas que deixou suas leitoras caidinhas no seu papo.

Quanto as informações sobre Iansã, oxalá todas as mulheres descobrissem em si as caracteristicas que mencionaste:
"...falta de medo das conseqüências de um ato impensado, no campo amoroso...de amar livremente."

Me perdoe a ignorância sobre o assunto, mas, com base apenas no que li no seu post, me atrevo a escrever a impressão que tive, me corrija se estiver errada.
Seu texto começa com "...Embora tenha sido....." eu diria: Que bom que teve um Xangô na vida de Iansã. Se fosse a história de um casal dos dias atuais eu diria que ele foi o grande libertador de sua amada. Ela se descobriu uma mulher corajosa, curiosa, dona de suas emoções e de sua sexualidade. Sem medo de arriscar, de aprender, de errar e de evoluir. E que homem não se deixaria seduzir por uma mulher forte assim?

Conclusão: visitar seu blog é o mesmo que mergulhar no conhecimento.
Obrigada por isso.

beijos

P.S.: ficou grandão, né? Desculpe-me.

MINHA VIDA DE CAMPO disse...

Muito lindo esse post, o poema está maravilhoso e a forma que escreveste deu um toque personalizado. Nós temos cada um sua cultura e sua tradição, parabéns por difundir tão bem tua cultura.
Tenho muito interesse por essas divindades e foi muito bom conhecer Iansâ, eu ia a muitas festas quando morava em Porto Alegre, mas tinha um pouco de medo, por causa do meu desconhecimento sobre a religião. Eu acho que meu guia era Iansã, não lembro, depois que casei perdi contado com minha amiga que tinha uma terreira.
Mas é uma cultura apaixonante.
Esse dicionário está perfeito, tudo muito criativo e instrutivo.
Tenha um ótimo dia.

LUZ disse...

Boa tarde, Sibarita!

Como tem passado? Espero que bem.

Seu poema, é caso para dizer, é fogo.
Seu "eu-lírico" parece que não se sente bem, quer o regresso de alguém/mulher e se for preciso até paga promessa, de joelhos. Quanto apego!
Sim, porque a "minina" é bonita, olhar puro, corpo de enfeitiçar, cheia de nove horas, mas mesmo sabendo que ela é "dona de seu nariz" e se mostra toda importante, você quer ela, de qualquer jeito.
Até se adorna, se põe bonito para a ver chegar, lhe fazendo mil e um agrados. Hummm! Essa menina mexe com "você", literariamente falando.
Quer, deseja, que ela imagine, tudo aquilo que você pode dar e proporcionar pra ela.

Ela é cobra? Talvez, porque venha se arrastando, pra junto do seu corpo, sensualmente, tipo serpente feiticeira. Cuidado com esse tipo de mulher!

Conseguem, normalmente, tudo o que querem e até vos põem de joelhos, fazendo promessas.

Já conhecia alguma coisa da deusa Iansã, visto que na Faculdade, estudei Mitologia, integrada no meu curso.

É muito interessante a vida dessas personagens e o poder que lhes é/era atribuído.

Acreditando ou não, penso que o Psicológico manda mais que o físico, teremos sempre o perdão de Iansã.

Tenha um resto de dia feliz e que seu "amor" se concretize. Que a deusa das paixões o ouça e atenda seu pedido.

Saudações.

Evanir disse...

Estamos a poucos Dias do Natal
agradeço seu carinho no decorrer de mais um ano ,
que esta chegando ao Fim.
Só tenho que agradecer a Deus por sua amizade,
agradecer acima de tudo Deus por ter preservado
minha vida por mais um ano.
Em meio a tantos obstáculos passando
por cada um deles movida pela fé e esperança de Dias melhores.
E para encerrar o Ano com chave de ouro coloquei
mais um livro em sorteio no meu blog.
Para participar basta ser seguidor colocar o selinho de participação que esta na postagem do meu blog
manter seu blog atualizado pelo menos 8 dias no Dia do sorteio.
Conto com sua participação.
Uma abençoado final de semana beijos no coração,Evanir..

Moça disse...

Foi fundamental o dicionario!
mas que riqueza de postagem!
adoro conhecer outras crenças e novas mitologias!
arretado!
bjo
http://opinandoemtudo.blogspot.com.br/

Bandys disse...

Oi senhor Siba,

Demorei mais cheguei. E eu achando que era dia 2, kkkkkk eu sou muito lesada mesmo.

Seu texto é perfeito e aqui quem não sabe aprende, quem sabe fica conhecendo mais um cadim.

E aí ta animado pro Natal.

Bora ficar ne!!

Beijos

Vivian Loreti disse...

Ô seu moço! Seus textos, como sempre, deliciosamente informativos!
PS: disparou nos pontos com a Bethânia, linda!!!

Beijão :)

Guacira Maciel disse...

Olá, seu menino...como está? eu demoro mas chego...
Como sempre, seus escritos são de muita beleza e para quem conhece um pouco, pouquíssimo, menos do que gostaria, eles são fonte de informação. Parabens pelos textos sobre negos, herois...as pessoas precisam saber disso...
Beijo,
gpoetica.

Guacira Maciel disse...

Oi...

No comentário acima, onde se lê negos herois, leia-se NEGROS HEROIS!

Desculpas...

Gpoetica