sábado, setembro 19, 2015

ABSTRATA

Abstrata

Ai ai de nós por entre o amor e os nossos carnais,
O agora da paixão montado num touro selvagem!
Pelo extremo, o horizonte consolador, os punhais
Sangrando os sóis das afeições afins na aragem...

Do vocábulo a outro vocábulo o libertino inspira,
Une a efervescência, desejos pulsando o coração.
Pelo gume certeiro que a espada do amor aspira,
Abrandam-se fervuras nos pontos de interações...

Por entre pretextos, o querer enseja, sobressalta,
Trazendo-nos o canto propenso das luas fugitivas.
A lua que o coração no azul celeste unge vai alta,
Céu pleno, risos arejados em noites de esquivas...

Pelo precipício eternal, o amor rodeia suspirando,
Acende as tuas lanternas noturnas, noite de glória!
Ó alma doce os mistérios maledicentes palpitando
No teu corpo aromado de água de sol e magnólia...

Ó volúpias, ó essências, trazes no peito as vontades
Dessa fantasia tropical, volúpia, plenilúnio reticente.
O eflorescer das auroras e aromas de ti, a tua carne!
E este poema de arquitetura abstraída, tão carente...

O Sibarita

Humaitá Web Rádio, a música!
www.radiohumaita.com.br

10 comentários:

Ghost e Bindi disse...

Muito bem! Que poema lindo, épico, uma ode ao amor que desatina, que ruge do fundo do precipício, e se deita plácido nas pétalas da magnólia...só a alma do poeta o descreve com a paixão devida!
Um abraço com sol primaveril,
Bíndi e Ghost

APENAS PALAVRAS disse...

Lindo e belo texto reflexível...
Obrigado pelas palavras sabias que deixaste em minha postagem, concordo com cada uma das suas palavras...

Que este fim de semana os teus olhos brilhem com o resplendor de quem viu o sonho mais difícil ser concretizado!

Sinval Santos da Silveira disse...

Olá, " O Sibarita" !
Que sufoco passei para aspirar algum
claro entendimento, do teu abstrato
pensamento. Naufraguei, mas com o
prazer de haver lido um belo e bem
escrito texto. Parabéns !
Sinval.

Vivian disse...

..o Sibarita está apaixonado...só pode!

Que delícia de poema!

"Ai ai de nós por entre o amor e os nossos carnais,
O agora da paixão montado num touro selvagem!
Pelo extremo, o horizonte consolador, os punhais
Sangrando os sóis das afeições afins na aragem..."

Beijos, poeta!

SAM disse...

Em cores e versos , o Sibarita não se cala. Espalha esta “fantasia tropical”, lindas efervescências do coração.

Beijos

Bandys disse...

Um corpo aromado de água de sol e magnólia...
da o que pensar.

belo poema.

beijos

Claudio Chamun disse...

Show!
Muito bom.
Abraço.

Histórias, estórias e outras polêmicas

Douglas Álisson disse...

Olá, gostei muito do blog.
Tenho um onde coloco minha poesias, podeira visitar?
http://wordsbyalonelyguy.blogspot.com.br

Ani Braga disse...

Hoje, passando para desejar um final de semana maravilhoso, cheio de alegrais e grandes realizações.

Beijos
Ani

Kátia disse...

Ai de nós,que não estamos sós nessa saudade...!
Eita Sibarita retadinho nesses poemas que despertam tantas coisas nas criaturas de plantão.
Ói que bom!Hahahaha
Esse menino já fui em Salvador,já estou em Sampa e estou voltando pra Salvador novamente no final do mês.Que belezura né não?
;-)