segunda-feira, março 16, 2009

DEUS É MAIS!

Deus é mais!

A Cabrocha que andava
Dependurada no olhar
Do Nego Retado de Bom
Abriu o gás, deu ninja,
Saltou de pára-quedas
Ganhou o mundo, se picou!
Foi ganhar a fama
Virou mulher dama...
Desceu o Elevador Lacerda
E de saia rendada cor de gelo
Foi para a roda de samba
No Mercado Modelo...
Seus seios às amostras
Suspirando por beijos
Numa blusa super decotada
Viraram dois asteróides,
Siliconizou!
Com o balaio grande
Tem um remelexo
Que me valha Deus
Nosso senhor.
Turbinou!
Na praia do Costa Azul
Ela desfilou de fio dental
Dizendo que é da Grife Daspu.
Arrebentou!
De cara esticada
Fez plástica no rosto
E na boca de sulapa.
Botoxzou!
Colocou lentes de contatos
Os zóios castanhos são azuis.
De vez. Desbaianou!

Agora, só fala em ingrês
Au do iou du? Uat zi neme?
Ai Deus, americanizou!
É gringo prá lá, é gringo pra cá,
Nego retado de bom se lenhou.
Vixe... Ela piriguetou!

Pelas bandas do Pau Miúdo
Nego Retado de Bom
É capoeirista, o cão de calçolão.
Sendo a cabrocha o seu elo perdido,
Jogando capoeira lembrou-se da paixão,
Bateu fofo. Deu vacilo!

Num rabo de arraia mal dado
Tomou, no contra passo, um martelo,
Uma cabeçada e um aú cortado...
De espinhela caída ficou lerdo.
Coitado!

Avexado, tentou se recuperar
E numa meia lua de compasso
Tomou uma benção, não se plantou
Viu o céu se exaurindo no arregaço,
Bateu biela. Subangou!

Na roda de capoeira
O berimbau silenciou.
Nego Bom, sem eira, nem beira
Pediu pinico. Embarcou!

Ele, ainda, sentiu o tic-tac do coração
No suspiro da vida que se esvai
Deixando as cinzas da ilusão.
Deus é mais!

E eu,
Nesse ziriguidum,
Pirei de vez
No samba-reggae
Do Olodum...

Valha-me Deus!

O Sibarita

Sibarita Web Rádio. Se ligue, se entregue de corpo e alma!
www.sibaritawebradio.com.br

TRADUÇÃO DO BAIANÊS

Deus é mais! – Podes crer!
Cabrocha – Mulher da bunda grande com andar muito sensual.
Nego (a) Retado (a) de Bom – Baiano (a) gostoso (a) de namoro, de sexo.
Abriu o gás – Se mandou, foi embora.
Deu ninja – Deu um jeito de ir embora.
Saltou de pára-quedas – Saiu suavemente sem ser percebido (a).
Ganhou o mundo – Está em todos os lugares.
Se picou – Foi embora rapidamente.
Mulher Dama - Profissional do sexo, puta.
Saia Rodada – Saia que as baianas usam.
Samba de Roda – Típico da Bahia, as mulheres sambam e batem palmas.
Largo da Ribeira – Fica na Cidade Baixa, Península Itapagipana.
Seios de asteróides – Seios grandes, volumosos.
Siliconizou – Colocou silicone.
Balaio Grande – Bunda grande.
Remelexo – Dança mexendo muito a bunda.
Turbinou – Colocou silicone na bunda.
Praia do Costa Azul – Praia da Cidade alta, jardim dos namorados.
Fio Dental – Maiô minúsculo que deixa a bunda toda do lado de fora.
Daspu – (Das putas) Grife das profissionais do sexo parodiando a Daslu.
Arrebentou - Fez sucesso.
Boca de Sulapa – Pessoa de boca e lábios grandes.
Botoxzou – Colocou botox.
Zóios – Olhos.
Desbaianou – Aquele (a) que deixa os costumes, o jeito de ser baiano.
Americanizou – Pessoas que não sabem o Inglês e enrolam os gringos.
Gringo – Turista estrangeiro.
Se Lenhou – Perdeu, ficou mal.
Piriguetou – Mulher que virou piriguete, vai para cama com vários homens.
Pelas Bandas - Por aquele local.
Pau Miúdo - Bairro de Salvador.
Cão de Calçolão - Pessoa boa em alguma coisa.
Beter Fôfo - Ser mole, amolecer.
Vacilar - Dar moleza à alguém.
Rabo de Arraia - Golpe de Capoeira, salto mortal na cabeça do adversário.
Martelo - Golpe de Capoeira mortal no peito do adversário.
Cabeçada - Golpe de Capoeira com violência no torax do adversário.
Aú Cortado - Golpe de Capoeira no calcanhar do adversário derrubando-o.
Espinhela caída - Dor no peito.
Avexado - Apressado.
Meia Lua de Compaço - Golpe de Capoeira atinge o adversário no calcanhar.
Benção - Golpe de Capoeira para atingir o adversário com a planta do pé.
Não se plantou - Não ficou firme.
Arregaço - Acabou tudo de forma violenta.
Bateu Biela - Se acabou.
Subangou - Se acabou, se lenhou.
Sem eira, nem beira - Ficou sem nada.
Pediu pinico - Pediu socorro.
Embarcou - Morreu, partiu desta para outra.
Tic-Tac - O bater do coração.
Ziriguidum – Confusão.

21 comentários:

bat_trash disse...

Esse poema dá um samba retado!
Eu o li em voz alta e a poesia esbanja musicalidade.

Beijos.

paula barros disse...

É fio, precisa mesmo de tradução.

Mas tem coisa que já estou sabendo.

Samba-reggae e Olodum é para pirar mesmo.

Acho a capoeira bonita, tem o gingado dos seus poemas.

se cuida nego retado de bom rsrsr

Avassaladora disse...

Vc quando dispara a escrever, é feito correnteza de rio...
Que desagua em quedas d´aguas, que são suas palavras!
Uma correnteza de poema!!!

Fio, vc enlouquece a gente!


Beijos avassaladores!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Sibarita, eu amoooooooooo fazer esse tipo de texto com meu linguajar cearense.

Adorei o "pediu penico", só nordestino sabe o que significa.

=]


Rebeca

-

A Senhora disse...

Fiquei com dozinha dele... Também dela, por não ter cabeça e ir atrás de coisas e não de coração...

História linda... e tão verdadeira hoje em dia.

Bjs.

Peter Pan disse...

Genial, Amigo Gigante.
OLhe, há certas palavras que emprega que são engraçadas, sem perder a importância num fabuloso poema.
A moça era íncrivel, não?
Pelo que pude perceber deixava tudo doido.rsrs
Abraço amigo de respeito imenso.
Com admiração

p.p.

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

obrigada pelos comentários, amei!
E amei ainda mais esta tradução.
posso copiar?
Um grande abraço

Bandys disse...

Valha-me Deus!!!
Pior eu que nunca turbinei, nem botox eu botei.
Tambem ainda não precisei(eu acho ne) kkkkkka, porque se chegar a hora eu coloco na maior.

A caneta de Siba tava arretada éeeeee??

Santo Jesuis cristimm toda conta dele.

Beijos no coração

Maria disse...

Pirou de vez, foi, Siba?
Eu ia pirando, mas me valeu o seu dicionário de baianês...
Como vai sua Rastafari? Dançou o samba-reggae com vosmecê?

Um beijo, Sibarita

Maria Clarinda disse...

Adorei, adorei.....Jinhos muitos

Uma aprendiz disse...

Oi, Siba

Adorei!
Como sempre, ótima. Parabéns!

Que bom que o feitiço do carnaval já passou kkkkkkkkkkkkkk
Estava com saudades do bom e velho Sibarita.
Esse poema é a sua cara, sem tirar nem por.
E vamos dar uma folga pra paixão?
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

beijos, de sua amiga paulista

Olhos de Mel disse...

Oie Neguinho, teva com saudade das suas belas prosas poéticas, com sabor de dendê e acarajé.
Na roda de capoeira, nem sou mais eu, mas no samba de roda, sou bem mais e dou dobrado.
Se caio no samba, vou piriguetar mesmo, ninguém me segura, nem tu, meu neguinho arretado!
Adorei lindinho!
Beijos

Claudinha ੴ disse...

Af! Meu amigo, ainda bem que traduziu, eu não saberia algumas palavras. Mas o retrato do vendaval que arrasou a vida do Nego Renato de Bom fica bonito em suas letras!
Beijo!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Brigar é inevitável em certas situações, mas essa moça porreta conserta qualquer situação mal entendida e tudo volta pro seu devido lugar.

Quanto a me lenhar de vez, fique esperto com essa coisa de mandar beijo pra mulher comprometida. Vai saber se o dono da moça não é de morte, hein!

hahahahahaha

Me poco de rir com os seus comentários, pra falar a verdade.

Até a próxima levada de risos.

Jota Cê

-

Mary disse...

AMIGO QUERIDO!!

VOCÊ BEM SABE QUE ADORO ESTA POESIA, JÁ TE FALEI ISTO OUTRAS VEZES,PODES REEDITAR TAMBÉM,VÊNUS E VÊNUS DE PARIS, SÃO INCRIVELMENTE SENSUAIS. DEPOIS QUANDO TE CHAMO DE DISCÍPULO DE JORGE AMADO, TU FICAS SEM GRAÇA, É A MAIS PURA VERDADE. NÃO DEMORE A APARECER MAIS E NOS BRINDAR COM TUA POESIA, OK?
BEIJÃO GAUDÉRIO NO TEU CORAÇÃO DESTA GURIA QUE TE ADMIRA.

Olhos de mel disse...

Oie Siba, passando e deixando beijinhos...

Anônimo disse...

Sibarita

Vim dar uma espreitadela pelo blog e tb. pela musica, porque li alguns comentários seus no "Cheiro da Ilha", sabe o que é, né.

Sinceramente gostei do que li. Um linguajar que já não me soa aos ouvidos faz muito tempo e que tem o cheiro dum terreiro de samba.
Por aquilo que li, pela maneira cantada que se ouve em qualquer lugarejo do Brasil, lembrei-me que nos faz andar, dançando, pelas suas calçadas. Assim, vou dizer-lhe o que é o Brasil para mim.

Me dá licença? Eu a tomei sem ouvir sua resposta. Me desculpe.

BRASIL

Para mim
és esse rio que te desflora,
o povo
de um país desencantado,
povo que canta,
dança,
mas que chora
a terra,
seu país por Deus criado.
Para mim
és Ipanema ensolarada,
és a verde Amazónia,
agredida,
és Sampa
acordando de madrugada,
a esperança de mudar
não conseguida.
É a crosta gretada,
sertão sofrido,
és verdesul,
nordeste,
és a Baía,
és Brasília
o futuro não cumprido,
sorriso,
carnaval,
triste alegria.
És meu Cruzeiro do Sul,
muito querido.
Tu és o meu Brasil
minha Utopia.

Aten

Pena disse...

Oh, Genial poeta amigo Gigante:
Um poema que segui deliciado. Fascinado pelo seu incrível talento.
Admirável...!
Sem palavras que qualquer um entende...
Tem um dom: MARAVILHAR!
Abraço de imenso respeito, estima e consideração

pena

FABULOSO! PARABÉNS!

Oliver Pickwick disse...

Sibarita, aqui é o único lugar do mundo onde o excesso de gírias e regionalismos não sombreiam o brilho da poesia. Muito ao contrário, até proporcionam uma estética singular aos versos.
Um abraço!

Desnuda disse...

Nossa! Que sonoridade tem este poema, Sibarita! Adorei! Cheio de ginga....


Beijão

Deusa Odoyá disse...

Olá meu lindo Siba!!!
Adorei seu poema, e muito dessas histórias se tornam verdadeiras.
Oresto concordo plenamente com o nosso amigo Pena.
Beijinhos doces e saudades.
Saúde e paz , para aquele que tens muito carinho e eu também.
"PAINHO".
Regina Coeli.

Fiquem na doce paz do mestre Jesus.