segunda-feira, março 30, 2009

SALVADOR 460 ANOS

ANIVERSÁRIO DA CIDADE DE SALVADOR/BAHIA.

CAROS LEITORES, DESDE JÁ, AGRADEÇO A LEITURA DO TEXTO TODO QUE AO FINAL TEM DUAS POESIAS, ESPERO QUE LEIAM!

Caros leitores, em 1548 o rei dom João III de Portugal instituiu o governo-geral para o Brasil fortalecendo a colônia ao criar uma unidade administrativa, política e militar, além de protegê-la dos estrangeiros que queriam lucrar com a economia local. Com essa determinação em 29 de março de 1549 desembarca na terra colonizada a frota de Tomé de Souza com 12 embarcações, vieram: um arquiteto, carpinteiros, pedreiros e alguns degredados que foram expulsos de Portugal após desobedecerem às leis da Coroa. Assim, nesta data ao desembarcar Tomé de Souza funda a cidade de São Salvador, hoje Salvador, capital do estado da Bahia, sendo o primeiro município e a primeira capital do Brasil. Portanto, Salvador completa hoje 460 anos.

Apesar destes anos todos, Salvador continua com bolsões de misérias espalhados por vários bairros. É vidente por culpa dos políticos de plantão que solaparam e solapam esse povo sofrido e negado a ser feliz. Nós soteropolitanos, estamos orgulhosos apesar de tudo.

Salvador é a terceira maior capital do Brasil, são 50 km de praias a maior de todas as cidades brasileiras e diga-se que a Bahia é o maior litoral brasileiro. Onde ficam as melhores e mais bonitas praias do Brasil? É claro, em Salvador, sendo a praia do Porto da Barra onde Tomé de Souza desembarcou uma das mais bonitas do mundo! Quem mais cantou o mar? Olha aí o Dorival Caymmi! A lusa-brasileira Carmen Miranda se destacou como cantora para o mundo cantando as eternas canções do Dorival Caymmi e em especial “O Que é Que a Baiana Tem?”. Somos o povo mais alegre do país com o seu próprio linguajar. Tá rebocado, piripicado se não for! Olha aí! Na cultura brasileira em qualquer seguimento vamos encontrar um baiano. O Movimento Tropicalista quem fundou? Olha aí o Gil, o Caetano, a Gal, o Tom Zé, Novos Baianos e muitos outros. A Bossa Nova quem inventou? Olha aí o João Gilberto! Quem inventou o trio elétrico? Olha aí o Dodô e o Osmar! Onde é o maior carnaval do mundo? Olha aí a cidade de Salvador! Onde tem o maior número de igreja católica do mundo? Olha aí Salvador de novo, são 490, isto quer dizer que podemos ir a cada dia em uma no ano todo e ainda faltam dias ver as outras. São igrejas com conjuntos arquitetônicos de séculos passados! Quem é o maior poeta brasileiro? Olha aí o Castro Alves! Quem é o Boca do Inferno da poesia brasileira? Olha aí o Gregório de Matos! Quem é a maior atriz e musa do teatro brasileiro? Olha aí a Bibi Ferreira! Quem é o maior diretor de cinema do Brasil e reconhecido mundialmente? Olha aí o Glauber Rocha! Quem é o maior escritor brasileiro? Olha aí o Jorge Amado! Quem é o outro maior escritor brasileiro? Olha aí o João Ubaldo! Bom, paro por aqui, se não terei que escrever muito... e os senhores não pensarem que sou bairreirista demais!

Como parte dos festejos do aniversário de Salvador, a Escola União Comunitária do bairro do Jardim Cruzeiro (Alagados) fez uma gincana entre os alunos que deveriam trazer moradores do bairro que apesar das dificuldades conseguiram entrar numa universidade dando exemplo. Sendo todos os convidados entrevistados pelos próprios alunos o achamos muito bom.

Bom, como um dos convidados o que me orgulhou muito, muito mesmo, emocionante! Eu que tenho duas poesias cedidas e adotadas por algumas escolas públicas de Salvador. Fui perguntado várias vezes sobre elas (Alagados (Palafitas) e João palafitas) e outras que falo sobre a minha infância na maré. Me comprometi as colocar aqui no blog novamente, assim, cumpro.

Meus sinceros agradecimentos aos Diretores da Escola União Comunitária nas pessoas dos Professores Joabe Santos e Ivanilde Oliveira, aos professores Luzia, Marcos, Pedro, Ana Maria, Joana Silva, Antonio Pedro, Jussara , Raimundo, Rita Maria, Leôncio e Rui.

Aos alunos que deixo de nominá-los por serem muitos quero dizer que foi uma tarde muito gratificante e de aprendizados para mim. E que só se vence na vida mesmo com dificuldades quando enfrentamos de frente: recuos, medos, tropeços, incompreensões, preconceitos e tudo mais que vem de encontro no nosso caminho para sair do estado miserável que se vive com perseverança, atitude, grandeza, humildade e acima de tudo acreditar e ter DEUS e o MESTRE JESUS no coração!

A todos vocês o meu muito OBRIGADO e, em frente, sempre...

NHCA (O Sibarita
)

AQUI AS POESIAS!

ALAGADOS (Palafitas)

Os versos,
são memórias e sonhos
da maré como lembrança
nos desejos da infância
vivida nas palafitas...

De pés descalços
correndo sobre as pontes
catando raios de sol
nas asas de um beija-flor!
Meu coração tinha enredos:
Melancolia e fantasias
palpitavam como folias
e desfilavam sem alegorias....

À noite
os momentos eram
infinitos, um fifó aceso
espantando a escuridão,
gatos lânguidos esfomeados,
ratos correndo dos algozes
e tamancos rachados
fugindo da leptospirose...

O tempo a noite
sempre se estendia.
Eu tentava empurrá-lo
com as mãos, pura agonia!
Ele teimava desfilar, entre
os meus dedos lentamente...
Segundos, minutos, horas e dias.
Parava o tempo!

Uma Ave Maria e um Pai Nosso
para amenizar o sofrimento...

Pela fresta,
via-se as últimas gotas
de estrelas trêmulas
circulando sobre
tábuas podres sobrepostas
e esqueletos de caibros
sob a lua que ludibriava
os telhados...

O dia
florescia pela enchente
atiçada pela maré de março.
Em cada barraco, olhos velados
retiravam o que tinha e o que não tinha...
Sufoco! O povo dos alagados
recorria a todos os santos,
sob a luz de um sol minguado...

Correi marezeiros!

Há nas pontes,
dependurados e sombreados:
desejos da vida, sangue em lágrimas,
trapos velhos e penicos furados
rasgando o ventre dos sonhos,
agora, macerados!

Bocas de caranguejos
asas de morcegos
e nenhuma flor como desejo...

A maré cheia
convidava ao mergulho.
Crianças davam caídas,
era o prazer do corpo na água,
o debater de braços e pernas, nadar!
Ingenuidade da flor idade...
Na borda do prazer,
a cilada montava o cenário
entre lixos, galhos e estacas.
O perigo é fatal... Tarde demais!
No azul, um sol de tempestades.
A morte é crua, a felicidade é fugaz...
Na adversidade mais um que se vai!
Erguia-se um silêncio,
há uma alma de desespero,
em fuga, pede a extrema-unção!
A tarde uivava, a dor se curvava,
nenhum padre, nenhuma benção,
mas, à noite te virá em orações!
Naqueles momentos,
a maré cumpria a sua sina,
vestia-se de cinza
e nos desesperos das lágrimas,
uma chuva fina...

Mas, não sei, era paradoxal!
Pratos vazios, tripas em revoluções,
urubus, cachorros e ganhamuns
lutavam por comidas no beira mangue.
Siris magros e mariscos aferventados,
crianças amareladas exangues.
O prato se repartia, mercúrio disputados,
lombrigas faziam greve de fome...
Um novo dia pintava, era a dona esperança!
Ela enganava à todos, saia de fininho e
se jogava das pontes, comida para pratos vazios.
Ai Deus! A fome rugia nos alagados, nua!
Enquanto, a morte, despudoradamente deitada
nos telhados filmava a cena de binóculo
na aba de pratos sonhados...

Sob um céu de jade,
natal chegava com luas estreladas!
Nos olhares quanta alegria
escondendo a dor, a melancolia...
Os barracos eram enfeitados,
no piso de tábuas carcomidas
a areia branca dava um toque mágico,
nos alagados enfim, tinha vida!
Nos jarros barro,
galhos de pitanga e espada de Ogum.
Folhas de arruda presas nas portas,
sal grosso nos telhados e alfazema
para espantar os maus olhados,
gatos pretos ludibriados...
A noite é o olhar e virá em clarões!
Nas janelas: nenhum chinelo, nenhum tamanco...
Papai Noel nunca vem, ele disfarça
e nem ao menos uma bola, uma boneca...
Crianças da maré sonham descalças!

No fundo de nós,
uns olhos de tormentos
torturados por natais iguais,
a procura de manhãs desiguais!

Valei-nos, Jesus menino!
Lembrai dos vossos pequeninos,
em vossas mãos os nossos destinos!

O Sibarita


JOÃO PALAFITAS

Acordou, escovou
os dentes com carvão,
olhou a mesa, pratos vazios...
Ruminou com os olhos a fome.
Abriu a janela, viu
um sol nascente mirrado,
mas que enche bocas vazias,
dependurado nos caibros...
Rogou aos céus!
Passou pó de pemba no peito,
colocou o patuá no pescoço,
fechou o corpo!
Apanhou o velho gereré,
chamou por Ogum de Ronda
e desceu para a maré.
Foi mariscar...
Papa-fumo,
canivete e rala-coco.
Siris magros,
caranguejos e aratus.
Não acreditou!
Passou as mãos nos olhos,
viu a fonte do seu alimento,
sem ao menos lhe darem
outro meio de sustento
aterrada pelo lixo
da noite para o dia!
Chorou nas mãos
toda a sua agonia...
Enquanto,
ratos, baratas e urubus
faziam a festa, sorriam!
Ainda restava
um pinico de maré.
Não pensou duas vezes:
no gereré rasgado
deu algum nó
e pescou magros baiacus.
Tinha ali o seu pôr-do-sol!
Subiu as pontes,
passou no boteco,
cacete-armado de Tonho de Zene,
pediu uma e deu para os santos,
depois, tomou três poca-olho.
Saiu mambembe,
revirando os olhos, zarolho...
Chegou no barraco, sem tirar as tripas,
feliz, jogou na panela os baiacus!
Danação de fome... Aferventados,
encheu o prato, agradecido,
fez o sinal da cruz!
Chamou para dentro o alimento,
enganou ali todo o sofrimento...
Deitou, dormiu por breve momento,
sonhou com uma vida melhor,
com a primeira namorada,
como seriam os filhos ali
sem escolas, sem horizontes,
só lixos, ratos e baratas por todos os cantos
e nenhuma felicidade por encanto.
Bateu escuridão! Acordou,
com o serviço de alto falantes
São Lázaro tocando: “Eu não
tenho onde morar...”
Deu caruara, guenzo
correu para o penico,
o corpo trêmulo, suava!
Ainda tomou um chá de velame
para rebater o veneno dos baiacus
que lhe tinham saciado a fome.
Deu vexame!
Colocaram o corpo moribundo
no carrinho de mão,
correram pelas pontes
Santo Antonio e Copacabana
em busca de socorro.
Chamaram Dona Joana rezadeira.
Ela, com três galhos de guiné
e um dente de alho macho
rezou o corpo de João
pensando que era mal olhado...

Tarde demais!

João, ainda, semi-inconsciente,
Pensou em Gilda sua namorada,
no terreiro de Candomblé, era corujebó,
na roda de capoeira, nos pais,
nos amigos de infância,
no ano novo chegando,
na mesa farta que nunca teve
e em uma vida melhor com esperança.
Deu o último suspiro,
ficou tudo na lembrança...

Nas rodas de capoeiras
o luto dos beribaus,
nos terreiros,
o silêncio dos atabaques!
Nos barracos pendurados
um céu cinza nos olhares...

Deus sabe!

O Sibarita

Sibarita Web Rádio. Se ligue, se entregue de corpo e alma!
www.sibaritawebradio.com.br

16 comentários:

Maria disse...

Ó Sibarita, estes dois poemas são enooooorrrmes! Tive que ler devagarzinho para perceber!
Já percebi que a minha praia daí foi muito importante na História da Bahia!
E fiquei a saber um pouco mais...

Beijo, Sibarita

Uma aprendiz disse...

Parabéns, Salvador!
Nascestes sob o melhor signo do zodiáco (o meu é claro!)
Estive uma única vez em sua cidade, foram 20 dias de encantamento. Jamais esquecerei.
Cidade e povo acolhedor.
Depois me deixei envolver pelo ritmo de sampa e adeus prazer.
Aqui não temos palafitas, mas a realidade das nossas ruas, das favelas, das desigualdades, nos prendem nas teias da nossa guerra urbana. Sobrevivemos.
Ah, que saudades da praia de Itapoan. Dos passeios de escuna. Das visitas aos fortes. Do por do sol.
Que saudades de Dorival Caymmi!
Linda cidade a sua!

Já conhecia essas poesias. Tive a felicidade de lê-las em uma de minhas visitas aqui, há meses atrás.
Belíssimas. Foi através delas que soube o que eram palafitas (santa ignorância a minha kkkkk).
Percebe como só nos ligamos ao que nos cerca?
Você merece ser homenageado por te-las escrito. Principalmente, por ter vivido essa realidade e ter vencido todos os obstáculos.
Sou suspeita em meus comentarios porque sou sua fã, você sabe.

Parabéns, de novo, pelo post, pelas poesias e por ser essa pessoa especial e amiga que és.


Deus te abençoe, sempre.

um beijo, de sua amiga paulista

Leticia Gabian disse...

Salvador.....Ai, que saudade retada!!!!!!!!!!

Beijo grande, cumpadi!

paula barros disse...

Oi, Sr. NHCA (O sibarita)rsrsrs

É bom saber do aniversário de Salvador através de você. E fazendo juz a fama de baiano, tudo é bom e o melhor, você é para mim o melhor, o mais tudo. rsrsr

Lendo seu texto lembrei de uma amiga baiana.

Infelizmente ainda exista tanta pobreza, e que se deve não só ai, mas no Brasil todo, pela ganância e inoperância dos políticos e gestores, pela falta de articulação da comunidade.

beijo (o melhor que você possa imaginar rsrsr)

paula barros disse...

As suas poesias trazem a vida de muitos, nas favelas, nas palafitas, nos morros, nas ruas, ela mostra a luta para sobreviver. O ser humano com suas muitas dores e ainda sonhos.

Mesmo, quem feito eu, conhece de leitura, ou até já viu, nunca saberá na realidade o que é viver assim.

Poemas bonitos na composição, porém mostram a dor e a tristeza, da miséria de muitos dos nossos irmãos.

abraços

Pena disse...

Como o Admiro, Amigo Brilhante, Sibarita.
Que lindo deve ser o Brasil de sonho.
Retive:
"...Salvador é a terceira maior capital do Brasil, são 50 km de praias a maior de todas as cidades brasileiras e diga-se que a Bahia é o maior litoral brasileiro, Onde ficam as melhores e mais bonitas praias do Brasil? É claro, em Salvador, sendo a praia do Porto da Barra onde Tomé de Souza desembarcou uma das mais bonitas do mundo! Quem mais cantou o mar?.."

Uma investigação apurada e iemsa de significação para com um povo fabuloso que está na minha Alma sensível.
Um post fantástico numa pessoa fantástica.
Tem um valor imenso, amigo Sibarita.
Nem sabe, o extraordinário e fabuloso crédito e admiração que lhe devem enaltecer e elogiar pelo seu genial e maravilhoso poder de expressar com gigante beleza o que por si já é belo:
O BRASIL de sonho!
Um dia, estou certo, todos os brasileiros lhe a gradecerão.
Parabéns sinceros...
Abraço cordial de amizade e respeito.
Sempre a admirá-lo

pena

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Nossa, suas poesias são quase um livro, mas belissimas.
Demorei um pouco aqui, precisava entender meu coração.
Você é um grande poeta, toca na alma.
Vá por lá ,tenho novidades.
beijos

Anônimo disse...

Meu caro amigo, venho lhe agradecer, pela importante força que você dá à nossa Escola União comunitária.

Seus textos, já lhe disse pessoalmente várias vezes são fora de série.

Eis ai um poeta de mão cheia em qualquer vertente!

Obrigado por tudo!

abraços,
Joabe Santos - Diretor

Olhos de mel disse...

Siba, acho que você representa bem o ideal de um jovem que quer vencer na vida, através de esforços. Assim, cresceu e conquistou seu espaço. Muitos precisam dessa força e muitos nem pensam assim, mas felizmente, lindinho você está para servir de exemplo e orgulho. Parabéns por tudo que é! A escolha foi acertada e que bom, você pode dar essa lição de vida a eles. Sei da sua índole, sua personalidade e seu caráter e tenho o maior orgulho de você!
As poesias são retratos da vida dessa comunidade, pela vertente do seu olhar poético. Maravilhosas!
Bom fim de semana!
Beijos

Peter Pan disse...

O seu valor cristalino de pureza, talento e genialidade quando escreve divinalmente, transcendem, sabia?
Abraço

p.p./Pena

Bem-Haja!
Feliz Páscoa na companhia dos seus.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Sibarita,

Parabéns pelo aniversário da cidade, parabéns pelos poems, parabéns pelo astral maravilhoso que sai de ti e entra em nós.

Brincalhão, sensível e um amigo querido.

=]

Maravilhosa sexta.

Rebeca

-

Claudinha ੴ disse...

Parabéns a você, a Salvador e a todo o povo baiano! Eu conheço um pouco do talento baiano, nasci vizinha de estado. Vi surgir os Novos Baianos, devorei Jorge Amado e Zélia e aprendi os costumes que um dia eu conheci. Parabéns por sua poesia, pelo reconhecimento nas escolas e pela esterteza do povo baiano ao ensinar a cultura através de gente que realmente viveu ali e sabe do que fala! É coração e alma!
Beijos grandes e festivos!

Claudinha ੴ disse...

Ah, esqueci de dizer que tenho quase certeza de que li seu poema Palafitas na primeira vez em que vim aqui! Beijos!

Oliver Pickwick disse...

Também este post poderia chamar-se "O melhor de Sibarita". Estas poesias são clássicos eternos.
Parabéns à nossa Capital e ao poeta.
Um abraço!

Desnuda disse...

Sibarita,

li com o maior carinho e prazer. Que belo texto! Que poemas maravilhosos! Que emoção me passou....Parabéns a Salvador por tudo isso e muito mais e para você, amigo, que fez este post magnifico e estes poemas de rara beleza e sensibilidade. Estão todos de parabéns!



Beijos