quinta-feira, setembro 13, 2012

E B Ó

Ebó

Heim mãe? Você não pediu? Eu estou é todo retado
Para encontrar essa chama que abrasa dentro de você
O que me faz viver tão assim, tá rebocado, piripicado
É do jeito que o seu nego gosta no tudo para lhe ter...

Mainha, sem você me desfaço, o feroz de mim se afasta
Em curvas e espirais, oh dias de lanças, céus de canivetes.
Na chama fria, seu coração corta, sangra o sol que nos ata
Sob a brisa que beija o seu rosto no que sou o seu tiete...

Nega, nos desejos convergidos, agora, é tome, tome
Se o seu olhar me seduz, em Jauá, um céu majestoso
Clama o seu nome nessas noites frias, todas insones,
No meu leito, torres de quereres, tudo é tão gostoso...

Minha Iaiá, seus lábios é luz das minhas madrugadas
Luzindo a aurora sonâmbula na procura dos suspiros
Explode o fogo, onde, o seu corpo em chamas retadas
No torpor e torpor se deitou aqui agorinha... Eu piro!

Viajo na maionese, água de sol e rosas, peço arrego
Boto prá lá, seu corpo, fronteira cheio de mandingas
Sob uma lua nigrinha seduz na artimanha o seu nego
Ò paí, ó! Toda flor um dia perde as pétalas mainha!

Levei seu nome aos terreiros da Bahia, fiz ebó, feitiço,
Atô tô! Decifro, bato os atabaques para lhe conquistar
No flerte, venha! Ando mesmo é no vício, no isso, atiço
Quem implora ao que se come não perde por esperar...

Viu aí meu Dengo? Tô na boca de espera, viu? kkkk

O Sibarita

Tradução do Baianês

Retado – Danado
Tá rebocado, piripicado – Tá certo, com certeza, afirmativo.
Nego – O homem é chamado aqui assim carinhosamente, meu amor, meu homem.
Mainha – Sensualmente chamando uma mulher.
Tiete – Paixão por algo.
Nega – A Mulher é chamada assim carinhosamente.
Tome, tome – É empregada no ato sexual.
Jauá – Lugarejo, praia no litoral Norte de Salvador, município de Camaçari/Ba.
Torres de quereres – Muitos desejos.
Minha Iaiá – Meu amor, meu bem.
Pirar – Ficar doido.
Viajar na maionese – Sonhar alto, alucinação.
Pedir Arrego – Pedir perdão.
Botar prá lá – Jogar duro, mandar vêr.
Mandingas – Feitiçarias.
Nigrinha – Piriguete, mulher da vida.
Ò paí, ò! - Olhe para isso, viu?
Terreiros – Casas de Candomblés, na Bahia são muitos, somos afros descendentes.
Fazer ebó ou feitiço – Trabalho com os Orixás no Candomblé para se ter alguém.
Atô tô – Saudação ao Orixá.
Atabaques – Tipo de instrumento usado no Candomblé, usados nos cânticos.
No vício – No desejo.
No isso – No agora.
Atiçar – Incitar, fazer fogo.
Meu Dengo – Meu amor.


9 comentários:

Olhos de mel disse...

Neguinho danado, fez despacho, foi? Vixe! Esse Ebó naquelas encruzilhadas de Jauá pega, viu? Eita se mainha te pega... aí é que tu cai mesmo arreado.
Eita paixão aflorada de desejos!... Jogue umas rosas a Rainha das Água, fio. É tiro e queda! Põe teu nome no dela e joga mel. Aff! Tu vai ver só, assanhado.
Amei Siba! Aliás vir aqui é ter a certeza de boa leitura.
Beijos

Sherazade disse...

Eita Siba! Agora a coisa vai mesmo. Ebó em Jauá... eita coisa certeira, viu?
A danada com tanto chamamento ta esperando o que, heim? Aff! Delícia de poesia, viu?
Beijos

LUZ disse...

Oi Siba, moço bonito!

Agora que já entendo seu "linguarejar" e com dicionário junto, fica perfeito, o entendimento do poema.

Esse seu desejo, que atiça os sentidos, faz de seus versos uma obra com características especiais.
É uma ternura, ternurinha, apelativa e muito submissa.
Gosto de seu jeito de exprimir o que, de facto, pretende.

Postagem, minha, só no fim de semana, no "Afetos e Cumplicidades", desta vez.

Tenho um vestido, mas não é vermelho, é escarlate, tá?

Abraços da Luz.

LUZ disse...

Oi Siba, eu de novo!

Só pra dizer, que no comentário do poema anterior, eu perguntei pra você se me tinha esquecido.
Fiz essa afirmação, mas antes de ver os comentários em meu blog.
Saí daqui, e quando vou ver se tinha comentários em meu blog, lá estava o seu, portanto não esqueceu de mim.

Uma noite sublime.
Abraços da Luz.

Guacira Maciel disse...

Menino!! você tá arretado, mesmo...o que é isso tudo? Você tá escrevendo demais...amei e tenho vindo aqui, mas estou escrevendo um livro sobre um grande amor na Chapada, e o tempo tá quase esgotado.
Parabens e grande beijo amigo.

Guacira

Vanuza Pantaleão disse...

Bom dia, migo querido!
Meu poetinha (e se te chamo de poetinha é pra te acarinhar, assim como acarinharam Vinícius), você nem precisava fazer despacho, ebó, nem mandinga nenhuma. Quer saber por que?
Porque você já nos conquistou com a magia dos teus versos dengosos, macios e bem baianos de se ler.
Obrigada pela preocupação, Siba! Já tô mais sacudida, rsrs. E vamos em frente que atrás vem gente!
Um surpreendente fim de semana e beije por mim o chão dessa terra sagrada que eu tanto amo. Te adorooooo!!!!

Bandys disse...

Opa Saravá!

Você esta demais viu menino:?? Faz poesia, faz despacho, e faz declaração. Tudo isso pra viver o amor.Pra conquistar a mulher amada.

Faz disso tudo uma bela poesia. Eita danado hein.

To nas torcidas ai pra você, mas acho também que um melzinho jogado nos nomes funciona.

Sua lábia também, kkkkkkkkkkkk

Beijos e fica com deus

Claudinha ੴ disse...

Mais um de seus textos que me encanta Siba! E pasme! Só hoje entendi realemente o Ó paí ó! Eu relacionava sempre a pai. Tomara que o ebó cumpra sua missão e seu dengo se achegue loguinho! Beijos!

Uma aprendiz disse...

Eita, está a perigo, painho?
Que fogo é esse?
Estás vivendo de sonhos ou de lembranças?
Faça fé, essa flor é de plástico.
Não perderá as pétalas nunca.
Acho até que foi tu que a criaste.
Está esperando o quê? Ou quem?
Eita, neguinho, deixe disso!
Diz o ditado que quem não comparece abre concorrência. rsrsrsrs

Desculpe pelas brincadeiras.

beijos, Siba