quinta-feira, dezembro 04, 2014

SANTA BÁRBARA (IANSÃ)


Hoje, dia de Santa Bárbara (Iansã) na Bahia, em Salvador no mercado de Santa Bárbara tem caruru.
Nos Terreiros da Bahia é festança!

Assista ao vídeo música Iansã por Bethânia, desligue a Rádio Humaitá ao lado.

Após a poesia leia tudo sobre Iansã, muito bom!

EPARREI  IANSÃ


Santa Bárbara (Iansã)

Ô mãe, 04 de dezembro, dia de Iansã, fiz caruru
E na procissão, o seu nome tremulava no andor
Aos pés da dona das tempestades sob o céu azul
E agora, você vem ou não vem? Eparrei! Atô Tô...

Sabe, eu estou no mercado de Santa Bárbara
Cada negona retada, mas, o meu pensamento
Está ai em você no frenesi que em mim desaba
Os beijos sonhados no que sou o seu alimento...

Sou seu, ômodeu! Na fé, também sou seu devoto!

Reparou, foi? Ah bom... E gosta é? Venha na onda
O povo comenta que você é retadinha, eu lhe foco
Lhe desejo e aos pés de Iansã, paixão, responda...

Você vem mainha? Meu amor, minha sede e fome,
O seu corpo arrastará todas as estrelas dos céus...
Divina do poeta, o fogo do seu amor me consome
As chamas, vaidade da sua carne nua, glória ao léu...

Eparrei Iansã! Moça, morrerei no mel dos seus beijos
Cavalgarei na sua lua crescente, Vênus é a sua marca
O ápice, o cravo e alfazema se misturam nos desejos.
Nas delicias, você gritará não me mata, não me mata...

O seu nego aqui tá todo porreta na boca de espera
Tá piripicado, farei mil e um agrado, vá imaginando
É bom, né? Você toda entregue, sim sei... Uma fera
Você não é cobra, é? E por que quer vir rastejando?

Aimôpai! E essa criatura rastejando não vai ser fácil,
Você vem, fia? Dizem que você é retada, o que faço?

Ô Bárbara, dona das chuvas, rega essa flor de Lácio
Que ei de faze-la uma deusa alucinada no arregaço...


Aiaiaiia... (kkk)

Zé Lalado.


SOBRE IANSÃ
Dia: Quarta-feira
Cores: Marrom, Vermelho e Rosa
Símbolos: Espada e Eruexin
Elementos: Ar em movimento,qualquer tipo de vento, Fogo
Domínios: Tempestades, Ventanias, Raios, Morte
Saudação: Epahei!
O maior e mais importante rio da Nigéria chama-se Níger, é imponente e atravessa todo o país. Rasgado, espalha-se pelas principais cidades através de seus afluentes por esse motivo tornou-se conhecido com o nome Odò Oya, já que ya, em iorubá, significa rasgar, espalhar. Esse rio é a morada da mulher mais poderosa da África negra, a mãe dos nove orum, dos nove filhos, do rio de nove braços, a mãe do nove, Ìyá Mésàn, Iansã (Yánsàn).
Embora seja saudada como a deusa do rio Níger, está relacionada com o elemento fogo. Na realidade, indica a união de elementos contraditórios, pois nasce da água e do fogo, da tempestade, de um raio que corta o céu no meio de uma chuva, é a filha do fogo-Omo Iná.
A tempestade é o poder manifesto de Iansã, rainha dos raios, das ventanias, do tempo que se fecha sem chover.
Iansã é uma guerreira por vocação, sabe ir à luta e defender o que é seu, a batalha do dia-a-dia é a sua felicidade. Ela sabe conquistar, seja no fervor das guerras, seja na arte do amor. Mostra o seu amor e a sua alegria contagiantes na mesma proporção que exterioriza a sua raiva, o seu ódio. Dessa forma, passou a identificar-se muito mais com todas as actividades relacionadas com o homem, que são desenvolvidas fora do lar; portanto não aprecia os afazeres domésticos, rejeitando o papel feminino tradicional. Iansã é a mulher que acorda de manhã, beija os filhos e sai em busca do sustento.
O facto de estar relacionada com funções tipicamente masculinas não afasta Iansã das características próprias de uma mulher sensual, fogosa, ardente; ela é extremamente feminina e o seu número de paixões mostra a forte atracção que sente pelo sexo oposto. Iansã (Oyá) teve muitos homens e verdadeiramente amou todos. Graças aos seus amores, conquistou grandes poderes e tornou-se orixá.
Assim, Iansã tornou-se mulher de quase todos os orixás. Ela é arrebatadora, sensual e provocante, mas quando ama um homem só se interessa por ele, portanto é extremamente fiel e possessiva. Todavia, a fidelidade de Iansã não está necessariamente relacionada a um homem, mas às suas convicções e aos seus sentimentos.
Algumas passagens da história de Iansã relacionam-na com antigos cultos agrários africanos ligados à fecundidade, e é por isso que a menção aos chifres de novilho ou búfalo, símbolos de virilidade, surgem sempre nas suas histórias. Iansã é a única que pode segurar os chifres de um búfalo, pois essa mulher cheia de encantos foi capaz de transforma-se em búfalo e tornar-se mulher da guerra e da caça.
Oyá é a mulher que sai em busca do sustento; ela quer um homem para amá-la e não para sustentá-la. Desperta pronta para a guerra, para a sua lida do dia-a-dia, não tem medo do batente: luta e vence.
Características dos filhos de Iansã / Oyá
Para os filhos de Oyá, viver é uma grande aventura. Enfrentar os riscos e desafios da vida são os prazeres dessas pessoas, tudo para elas é festa. Escolhem os seus caminhos mais por paixão do que por reflexão. Em vez de ficar em casa, vão à luta e conquistam o que desejam.
São pessoas atiradas, extrovertidas e directas, que jamais escondem os seus sentimentos, seja de felicidade, seja de tristeza. Entregam-se a súbitas paixões e de repente esquecem, partem para outra, e o antigo parceiro é como se nunca tivesse existido. Isso não é prova de promiscuidade, pelo contrário, são extremamente fiéis à pessoa que amam, mas só enquanto amam.
Estas pessoas tendem a ser autoritárias e possessivas; o seu génio muda repentinamente sem que ninguém esteja preparado para essas guinadas. Os relacionamentos longos só acontecem quando controlam os seus impulsos, aí, são capazes de viver para o resto da vida ao lado da mesma pessoa, que deve permitir que se tornem os senhores da situação.
Os filhos de Oyá, na condição de amigos, revelam-se pessoas confiáveis, mas cuidado, os mais prudentes, no entanto, não ousariam confiar-lhe um segredo, pois, se mais tarde acontecer uma desavença, um filho de Oyá não pensará antes de usar tudo que lhe foi contado como arma.
O seu comportamento pode ser explosivo, como uma tempestade, ou calmo, como uma brisa de fim de tarde. Só uma coisa o tira do sério: mexer com um filho seu é o mesmo que comprar uma briga de morte: batem em qualquer um, crescem no corpo e na raiva, matam se for preciso.
Orikí de Oyá. Eèpàrìpàà! Odò ìyá!
“ORI O! ORI OYA,
MO GBE DE. OYA MESAN, MESAN, MESAN.
OYA ORIRI, O, O, O.
OYA MESAN,
A JI LODA ORISA.
ORI O
ORI OL’ OYA,
MO GBE DE.
ORI MI!
ORI OYA , MO GBE DE.”
“O ORI do iniciado,
O ORI daquele que é iniciado em OYA está aqui.
OYA , que se desdobra em nove partes.
OYA , a grande mulher, charmosa e elegante.
OYA , que se desdobra em nove partes.
ORISA que usa a espada ao acordar.
O ORI do iniciado,
O ORI daquele que é iniciado em OYA está aqui.
Meu ORI.
O ORI daquele que é iniciado em OYA está aqui.”




6 comentários:

Uma aprendiz disse...

Belo poema Lalado.

Quanto a Iansã, me vi nas duas descrições. Pode-se ter as características da mãe e dos filhos?

beijos

Olhos de mel disse...

Oie Zé; esse blog além dos belos poemas, é também informativo. Adorei saber um pouco da história da Iansã! Adorei o vídeo e o poema! Ah! O poema... saudando a Iansã que existe em um ser, que com certeza, está encantada...

Eparrei Iansã!

Menina e guerreira
olhar doce,
espada certeira.
Deusa encantada
cujas noites enluaradas
e as rosas sobre os lençóis,
sempre foram muito desejadas.

Bom fim de semana! Beijos

Vanuza Pantaleão disse...

Querido amigo, embora digam que seja filha de Mãe Iemanjá, e respeite muito todos os Orixás e a cultura afro no Brasil, inclusive a Umbanda, quero reverenciar aqui nessa bela oportunidade essa Deusa esplendorosa que é a nossa Iansã.
Quanto a essa sexualidade aflorada em seu perfil divino, não vejo nenhum mal, pois a Deusa Kundaline da cultural védica oriental também se apresenta com essas mesmas características. E, pensando bem, o que seria de nós, pobres mortais, se não tivéssemos a força propulsora do sexo?
Enfim, só temos que saudar e reverenciar esse grande dia:
Salve Iansã!!!
Obrigada pela força lá na toca daquele coelho rebelde que ainda vai aprontar poucas e boas e um beijão natalino nesse teu grande coração, meu Poeta Baiano maravilhoso!!!

Bandys disse...

Eita!!!! Arrasou!!

Maria Bethânia é sempre um show. O poema de lalado nem se fala.

O seu nego aqui tá todo porreta na boca de espera
Tá piripicado, farei mil e um agrado, vá imaginando
É bom, né? Você toda entregue, sim sei... Uma fera
Você não é cobra, é? E por que quer vir rastejando?
Affffffffffffffffffff.

Olha ja falaram que eu sou fia de Iansa. mas depois disseram que era aquela que é duas. metade do ano uma e depois a outra, não sei.

beijos

Claudinha ੴ disse...

Epahei, Iansã!
Do vermelho e das tempestades. Sempre ao meu lado, eu sei. Por que desde criança a necessidade de elevar as mãos para o céu em dias de tempestade?
É bom saber mais, queria ver a festa na Bahia... Deve ser lindo!

Beijo!

São disse...

Excelente post, meu bem !

Abraço grande de parabéns e gratidão :)