segunda-feira, outubro 08, 2007

DESERTOS...

Desertos...

A brisa já não murmura na noite quieta e mansa
Ventanias e tempestades na vinheta cor-de-rosa
Faz do vosso humano coração o fel que me alcança,
E no azul, a paisagem recobre o dia, sufoca, tosa...

Se conosco, agora, por vosso desejo somos desertos,
O meu silêncio será a vossa dor e não há como fugir
Estou impregnado no vosso querer de frio alabastro
Se em vós no esplendor lunar a máscara da noite ri...

Ensombrando o chão que foge na distância da aurora
E, lá fora o céu de inverno, o vento, a chuva e o frio.
Jamais fingi o sonho que sustentei em vós e no agora
Esse sol gelado dependurado num horizonte vazio..

Sei... Rindo ao redor, então, sinto o vosso menoscabo.
Na fogueira dos sonhos crepita a sordidez dos amores,
Na solidão das areias componho a ária do meu silêncio,
Como tuaregue faço sonata no Saara do vosso coração...

O que fiz? Tramas nascem e cavalgam na farsa... Amada,
Então, partistes? Não vi vossas lágrimas caírem e caíram?
Vosso caminho, agora, é vasto e cru. A solidão é a estrada!
E a palavra é amor, a outra é amor e a essência é a paixão.

No metafísico os caminhos azuis não são esquivos na passada,
Como esquecer os nossos olhares, os nossos beijos, nossa voz?
Que aura conduz vosso gesto no fel da imprecisão das horas?
Mas, como dissolver em adeus os nossos passos? Dizeis vós!

O Sibarita

Caros leitores o Porta Curta dessa semana é IMPERDÍVEL "Cartas da Mãe"
Documentário De Fernando Kinas, Marina Willer 2003 28 min
Premiado documentário sobre o genial cartunista Henfil.
Cartas da mãe é uma crônica sobre o Brasil dos últimos 30 anos contada através das cartas que o cartunista Henfil (1944/1988) escreveu para sua mãe, Dona Maria. Estas cartas, publicadas em livros e jornais, são lidas pelo ator e diretor Antônio Abujamra enquanto desfilam imagens do Brasil contemporâneo. Política, cultura, amigos e amor são alguns dos temas que elas evocam, criando um diálogo entre o passado recente do Brasil e nossa situação atual. Artistas, políticos e amigos de Henfil, entre eles o atual Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, o escritor Luis Fernando Veríssimo, os cartunistas Angeli e Laerte e o jornalista Zuenir Ventura, falam sobre a trajetória do cartunista dos anos da ditadura militar até sua morte. Animações inéditas de seus cartuns complementam o documentário.

OUÇAM: WWW.SIBARITAWEBRADIO.COM

16 comentários:

Maria disse...

Ô Sibarita, e ela disse, foi?
Os passos não dissolvem nada (os meus, pelo menos), mas o tempo atenua tudo....

Um beijo

Fernanda e Poemas disse...

Olá Sibarita, grata pela visita ao meu cantinho, Pensamentos-Fernanda.
Quanto ao teu poema e texto eu gostei.
Como tu dizes que eu é só coração!
Não pensas que este mal que me deu, pode ser por ter nascido á beira-mar ?
Meu querido,muitos beijinhos com sabor a mar.
Fernandinha

Fernanda e Poemas disse...

Olá Sibarita,grata pela tua visita ao meu cantinho, Fernanda-Reflexões e comentários muito simpáticos.
Beijinhos,
Fernandinha

Fernanda e Poemas disse...

Amigo Sibarita, quero agradecer a tua visita ao Fernanda e Poemas,
Beijinhos,
Fernandinha

Fernanda e Poemas disse...

Sibarita olá!!!
Chegamos ao último cantinho o Fotos-Fernanda, este tem um poema.
Que eu escrevi a bordo do avião, quando no Verão estive na minha Ilha.
Conheces ? è pequenina mas muito bonita (ou não fosse a minha. )
muitos beijinhos
Fernandinha

Maria Clarinda disse...

"...No metafísico os caminhos azuis não são esquivos na passada,
Como esquecer os nossos olhares, os nossos beijos, nossa voz?
Que aura conduz vosso gesto no fel da imprecisão das horas?
Mas, como dissolver em adeus os nossos passos? Dizeis vós..."

Não se dissolvem...permanecem!
Jinhos mil

Leticia Gabian disse...

Que fazer das perguntas cujas respostas são já velhas conhecidas?
Ainda assim, perguntamos, perguntamos e voltamos a perguntar...

Beijão, cumpadi

Nara Senna disse...

Olá, companheiro Sibarita...
Como vai sua nega, fio?
Eu estou bem. Muito bem. Mas ainda inconformada com as injustiças da nossa humanidade.
Olha, um dia passo lá no Paulo Estevão pra te fazer uma surpresa, viu?
E qto às minhas aparições, não se preocupe. Sempre qdo tenho um tempinho passo aqui pra olhar...
Bjão e se cuida...

Sol da meia noite disse...

O teu poema é lindo, apesar de triste...

E são tantos os desertos que atravessamos, e mais ainda os desertos que sentimos em nós...

Beijos!

arealmar disse...

mas os adeus não de dissolvem
beijo

alma disse...

Oi Sibarita! Gosto da foto e o poema faz-me pensar e ter assim um sentir diferente... no deserto o que é que faz sentido? Resta o horizonte vazio... e a noite torna tudo homogéneo!
Um abraço da Alma

Helena Nunes disse...

Na partida de um, outro volverá. Com mais ou menor intensidade.
Do horizonte vazio, despontará a paixão que acabará por encher de novo o vazio da alma.
Na partida, foi-se o Eu, o Tu e o Nós mas, todos voltarão no viver de uma paixão.
Será este o ciclo da vida?
Lindo o teu poema.
Bjos Sibá
(desculpa a ausência)

Fátima disse...

Sibarita,

Gostei muito do poema!!
Sentir sentimentos sentidos...
A foto fantástica! PARABÉNS!

:-) beijinhos

Mandy disse...

Menino! Perdão pelo sumiço. Estava em um certo deserto, rs... Só publicando pequenos drops. Ótima contextualização para ele, a sua!

Beijo beijo beijo

carla granja disse...

OLÁ! DESCULPA A MINHA AUSENCIA MAS DESDE DE SEXTA FEIRA K NÃO TINHA NET SO ONTEM É K FIQUEI COM O PROBLEMA RESOLVIDOO E COLOQUEI NOVO POEMA:) QUE DIZER DO TEU. TÃO BELO,COM ALGUMA TRISTEZA ,MAS OS POEMAS NÃO SÃO SÓ ALEGRIA E EMOÇÃO EU TMB TENHO ALGUNS MAIS TRISTES MAS K NAO DEIXAM DE SER LINDOS. NESTE CASO FALO DOS TEUS PQ EU NAO SEI FAZER POESIA EU É SÓ PA OCUPAR A MENTE :) SEI K O K ESCREVO PERTYO DAS COISAS K LEIO DE TODOS VOCES OS MEUS POEMAS NAO PRESTAM PA NADA:) MAS ALGUEM TEM DE APARECER PA FAZER A DIFERENÇA:)
BJO TE ESPERO
CARLA GRANJA

Claudinha disse...

Não é fácil transcrever nossos passos, quanto mais em adeuses. Desertos ficam, sempre que pegamos a estrada... Beijo! Lindo poema!