terça-feira, fevereiro 26, 2008

SOLILÓQUIO

Solilóquio

Nada mais.
... O silêncio é teu!
Mas, ainda sobre a cama,
está aquele lençol de seda
ecoando os nossos gemidos
daquelas noites sodomitas
em que perdíamos os sentidos...

Naquela penteadeira,
ainda reflete por aquele espelho
os teus lábios pagãos de batom cereja
em que me lambuzavam de desejos...

Ainda pela mesa,
enfeitando as noites
em jarras chinesas
aquelas flores...

Pelo quarto,
aquelas tuas juras,
ainda impregnadas
nas paredes, agora,
por teu desejo, amareladas...

Pelo chão, está,
aquela taça de vinho
em que traçavas o destino
e, naquela vitrola
ainda toca, à meia luz,
aqueles nossos blues...

Por aquela porta,
ainda, entreaberta...
A paixão solda,
o que a nuvem tosa!

Entre nós, a vida...
Uma peça de teatro
encenada por Hidra
naquela pequena coxia.
Nos hiatos, um solilóquio
de Hércules no sétimo ato...

O Sibarita

14 comentários:

Maria disse...

Oi meu nego, tô aqui...

Num tá rebocado nem piripicado não, toma lá:

Então me diz!
Nada é tão triste assim
A vida é boa prá mim
Mais que o normal...

Então me diz!
Qualquer história
De amor e glória
Eu sei!
Não dá mais prá voar...

Não sei olhar sem você
Eu só tenho olhar prá você
Eu só sei olhar prá você
Eu só sei olhar prá você
Só sei olhar prá você
Eu não sei olhar...

Então me diz!
Frases feitas comuns
Já sei, ficamos no ar
Mais que o normal...

Então me diz!
Faz frio agora
A musa inglória partiu
Negando o seu papel...

E eu nem sei olhar sem você
Eu não sei olhar sem você
Eu não sei olhar sem você
Eu só sei olhar prá você
Só sei olhar prá você
Eu só sei olhar...

Uuuuuh!
Nunca disse: Te amo!
Nunca disse: Te estranho!
Nem importa mais...

E eu só sei pensar em você
Eu só sei pensar em você
Eu só sei pensar com você
Eu só sei pensar com você
Só sei pensar em você
Só sei pensar
Pensar! Pensar! Pensar!
Pensar! Pensar! Pensar!
Até chegar alguém!...

(Damien Rice/Zélia Duncan)

Beijos

(brincadeirinha, Siba....)

Oliver Pickwick disse...

Há uma mudança nos últimos dois, três meses, na essência da sua poesia, Sibarita. Abandonou quase por completo a escola de Epicuro, substituindo-a pela de Hegel. Isto é, os textos tornaram-se muito mais tendenciosos ao amor sensual. Acreditava que era por conta do carnaval, acho que me enganei, na verdade é mesmo um estado de espírito ancorado no passional.
Enfim, o importante é que não há comprometimento técnico da qualidade, talvez, oscilações nas preferências dos seus leitores. Pessoalmente, acredito que atinge o máximo do seu potencial criador nas temáticas de fundo social - onde transforma-se num verdadeiro João Cabral de Melo Neto, só que urbano. E, versificando acerca do amor clássico, já li trabalhos seus que deixariam o Drummond com enxaqueca. Enfim, quem sou eu para inferir na criação dos poetas. Neste caso, manifestei apenas a minha visão quanto à preferências.
Abraços!

P.S.: É claro que me lembro dos "mata-cachorro". Quando entravam para auxiliar em alguma coisa durante o espetáculo, o "galinheiro" inteiro assobiava como se estivesse chamando um cachorro. Coitados, permaneciam de cabeça baixa sem darem um pio. Bons tempos!

Oliver Pickwick disse...

P.P.S.: Para maior clareza, na afirmação "que deixariam o Drummond com enxaqueca", quero dizer, de preocupação com a concorrência.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sibarita
A paixão curtida, vivida, saboreada, talvez esquecida, mas renascida.
Nesta parte do mundo onde a beleza da paisagem se transforma em firmamento.

Beijinhos

fresquinha disse...

Como vai vc ???? Há quanto tempo não vai ao meu blog, Sr. Sibarita ? Ainda de Carnaval ?

O Sentir dos sentidos disse...

Meu Sibinhaaaaaaaaaaaa!!!

Mas eu não posso ficar muito tempo longe de voce que logo fica nesta choradeira e sofrimento né meu fio?...rsrs...fica assim não...óia eu aqui..óia eu aqui...pronto...passou né? Sei que agora está hiper feliz...tsc, tsc, tsc...preciso vir aqui todos os dias...kkk.

Agora sério.
Vou discordar um pouco do camarada Oliver no quesito "mudou um pouco a essência da sua poesia"; Não acho que voce mudou nada...sempre li e adorei ler o Sibarita com este misto de sentimentos:...romance, erotismo, social, humor...e acima de tudo AMOR sempre...implicito em todos seus escritos.

Lindo Poema Querido Siba.

Beijo,

Claudinha disse...

Bahia de todos os santos, de todas as raças, de todos nós... Está lindo o layout! Fiquei um tempo mais atarefada, mas aos poucos estou voltando...
Seu poema é belo, repleto do amor eternizado. Teatro da vida,meus aplausos, BRAVO!
Beijo!

Fernando disse...

Ti bunitinho, o Sibaritis apaixonado. Parabéns, meu fio! E dê valor, porque o amor está em falta em tudo que é canto. Até nas mulheres.

Amanhã vou ler aqueles textos que me recomendou, sobre a história de um poeta, ok.

Abraços!

P.S.: rapá, toda vez que vou te ler, já deixo o dicionário digital aberto. Solilóquio foi realmente excelente! Até a sonorabilidade dela é boa. Nunca mais usarei a palavra do significado dela. Hehehehe.

Fátima disse...

Sibarita,

O amor, a paixão... a vida! Gostei.

:-) um abraço

Fernando disse...

Ah, e pode tratar de lincar minha amada Coluna aí do lado, senão passarei aqui todos os dias e deixarei minhas ótimas rimas de emoção com coração. :)

Fernando disse...

Não consigo achar aqueles textos teus que me indicaste. Pode passar os links, querido Sibaritis? :)

Grace Olsson disse...

oh meu bonequuinho.Cheguei ontem na africa do sul e senti saudades de ti,.Beijocas

Me aguarde que ai eu vou..

Olhos de Mel disse...

Oie meu conterrâneo lindo! Enfim devagarzinho tou voltando... Felizmente em tempo de ler suas preciosas poesias... Fiz a mesma observação que Oliver. Mas sei que é normal acontecerem essas mudanças. Uma hora somos fogo, outras somos paixão e assim, compomos a sinfonia do amor. Amamos, nem sempre com a magia dos poetas e as vezes com o furor dos desejos que ardem em nosso corpo e isso nos torna únicos. Porque é nessa hora que desnudamos a alma.
Gosto das suas fases. Assim tento traçar seu perfil...
Beijos

Mel de Carvalho disse...

Sibarita, desculpe a ausência.
A sua poesia continua a ser de muita qualidade.

Sinceros parabéns.
Abraço da Mel
www.noitedemel.blogs.sapo.pt

PS: este blog de que deixo o link é o meu de prosa, mas continuo por lá no Sapo em poesia