quinta-feira, maio 17, 2012

RAMALHETE

Ramalhete

Ô buquê da noite, ninguém sente, ninguém te olha,
Flor emurchece em jarro do Paraguai, sem aroma!
Em um canto qualquer ao léu a madrugada desola
Gigolôs, vampiros do crepúsculo te fazem sombra...

No jogo de desejos, bom barato, o teu fogo é derramas,
Fogo redondo, afogueados passos que a noite promete.
Toda carne que se oferece, o desnudo adjudica na cama
E desfolha o teu corpo de entregas no sussurro falsete...

Piriguetinha sem pudor, bom de papo, toda gostosa,
Bota salto 25, vestido colante, aguçado, bem sensual.
Olhar matador, instigante e mamas peras, deliciosas,
Andar buliçoso, calcinha chama-gato, ai! Miiaaauuu...

Lábios carnudos, boca boquete e garganta profunda,
Corpo mata painho, mata mizeravona! Todinha usura,
Indomável na cama, mar de manhas, a cobiça inunda,
O sexo explode, arquejam deuses nas tuas funduras...

Moça, quem dispara o olhar em tua direção voa dentro,
Diante ao teu seio todas as coisas se movem no lascivo,
Que oras faz chamas, que oras te rasga, sopra o vento,
E já, mainha, já me parece que nas tuas mãos expiro...

O Sibarita

8 comentários:

E.M disse...

.. No jogo dos desejos,bom barato,o teu fogo é derramas...

Ardente até comico em algumas palavras,muito interessante algho moderno mais ao mesmo tempo real e culto.

Olhos de mel disse...

Siba tua poesia é chama, delírio, canção, fogo e paixão... Linda demais!
Bom fim de semana! Beijos

Desnuda disse...

Querido Sibarita,

Menino, que barato bom é esse, ôxe? Tão envolvente, tão fogo! Mas violento pra alma de uma mulher que cumpre esta sina/escolha.


Lindo como sempre... E esta trilha sonora de matar mamãe! hhahaahhaha


Beijos com carinho

Uma aprendiz disse...

Mais uma vez você consegues tirar ouro de pedras. Com base em tudo que leio por aqui, acredito que seja outra lírica crítica social. Enquanto versos, bem desenhado, sensível e encantador.
Enquanto realidade,uma das mais tristes e antiga pratica de subsistencia humana que, apesar de nos entristecer,somos coniventes.
Infelizmente.

beijos, poeta social kkkkkkkk

Claudinha ੴ disse...

Olá Siba!
Eta homem assanhado sô! Mas a piriguete tem que ficar muito besta , ganhando um poema bom destes! Um beijo!

Sandra disse...

Ola Siba, gostei dpo apelido que li acima. Venho com muito carinho retribuir as suas visitas. `sempre muito bom ver os amigos. No final do M~es vou conhecer Portugal. Menino estou muito anciosa. Era meu sonho, e agora está ai...Dia 28.05.chego em Lisboa. Vou no dia 27.05.
Espero conseguir terminar as postagens de New York. Pois ando tão sem tempo. Nossa fiquei 04 dias sem postar. Está tudo muito corrido por aqui. Espero poder descnasar esses dias que vou para Portugal..Arejar acabeça ... A escola é muito cansativa, embora amo o meu trabalho.
Desde já deixo um forte abraço e um carnho bem especial
Sandra

Obrigad pelas flores...

Anônimo disse...

Siba meu amigo querido!
Esse seu poema traduz tudo num simples gesto:
Quem não gostaria de se queimar
no fogo da paixão, e morrer embalado
no prazer...
Assim é o seu ramalhete, flores, desejos, fantasias e muita paixão.
Vc. constrõe em cima de cada poesia seus castelos de sonhos e magias.
assim é vc...
Bravo e lindo no que escreves.
Biejinhos de muita paz, luz e amor...
Que mestre Jesus lhe abençõe e te traga um jardim de flores sempre em sua vida, perfumados em luz.
Regina coeli

Bandys disse...

Meninooo oxxe,

Esse Ramalhete ta que ta. Acredita que tinha lido na sexta mas viajei e não comentei.
Depois eu que sou a piriguete..
tu ta com muito fogo hein, miando e tudo.

Beijos