sábado, maio 10, 2008

O CIRCO II

O Circo II

“-Hoje tem marmelada? -Tem sim senhor!”

Senhoras e senhores, adorável público... Boa noite!
Versando à amada, ali está, o palhaço em evoluções,
No globo da morte, o amor, faz e acontece nos açoites.
Encerrando o espetáculo, ele, o domador de emoções...

Amada, entrego-te o coração escrevendo o teu nome
Agora, sob a lona desbotada deste circo, eu, o palhaço
Arranco gargalhadas da platéia no fel do teu assombro
Enquanto, no trapézio, animo o céu dos meus farrapos!

No suor das gargalhadas nasci palhaço para te amar
Desse picadeiro abro consultas ao livro dos oráculos
Chamo, digo o teu nome, em resposta vejo o teu olhar
Costuro no então a lona rota na seiva do espetáculo...

Pois, reinvento a inocência brincando de palhaço
A melhor parte! No picadeiro como berço do riso
O meu coração faz acrobacias ao léu... Disfarço
E clamo aos espectadores que rimem flor e dor!

Dar-te-ei o sol das copas orvalhadas do meu olhar
E nas peripécias do teu coração... Laço e enjaulo!
Amor felino! Eu, domador de emoções sob o luar
Desta lona rota e nesse trampolim, balanço, caio...

Admirável público meu cordial muito obrigado
Encerrando este espetáculo bradem comigo!

"O raio do sol suspende a lua,
Olha o palhaço no meio da rua...”

O Sibarita

9 comentários:

Pena disse...

Talentoso e Genial Amigo "O Sibarita":
Um poema sentido. Profundo.
O enorme "CircoII" da vida, onde um palhaço chora, ama, sente, está e é.
Admirável poder sobre as palavras que dançam em corpo feminino porque embiciona num gesto de perfeição exímio.
Encarna a geração magnífica de poetas sensíveis e majistrais.
Sempre a lê-lo com emoção e sensibilidade dos seus versos magníficos.
Abraço

pena

Menina do Rio disse...

O circo lembra risos, palhaços; infância... Doces tempos em que nos sentavamos numa arquibancada tosca e ríamos com pureza.

Um beijo pra ti meu bahiano predileto
Tem um feliz domingo

Anônimo disse...

oi meu neguinho.
lindo poema, est�s de parab�ns, canso de te elogiar e confirmo, mais uma vez.
deus luminou seus caminhso e suas m�os., por essas belas poesias , que sempre po~e nossos cora�es a se encher de emo�es.
Um palha�o muito puro e apaixonado, quiz vc transmitir.
como sua Deusa.
deus te guie e mestre jesus te aben�e sempre.
beijos dessa que te admira, e te gosta.

deusaodoya.

Déa disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAFE!!!!!! Circo II? Ninguém merece!!! Nem preciso confesar que quando vi esse palhaçõ HORROROSO não me dei ao trabalho de ler a poesia! E sei que hoje vai rolar pesadelo por causa dele! Acho que vou assistir a algum filme de terror para esquecer o que vi por aqui! KKKKKKKKKKKKK

By the way, você viu a mensagem que eu te mandei? Beijos

Bandys disse...

Fascinante!!!!
Um pouco instigante, muito cativante embora tão distante;
Palhaço!! Por tras da maquiagem um homem inebriante.

Quase que fulminante te mando beijo provocantes!

Maria disse...

Gostei deste circo palhaço II, Sibarita.
Vosmecê é mesmo domador de emoções é fio? tem certeza?kkkkkkkk
vamos ver.....

beijo

Oliver Pickwick disse...

Panis et circensis. Quem se importa com o sofrimento do palhaço? Afinal, o show tem de continuar.
Respeitável públicooo!...
Um abraço!

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá meu querido Amigo Sibarita, é mesmo como diz o Oliver, "quem se importa com o sofrimento do palhaço"!
Belíssimo texto, que bem explorado tem muito que se diga...
Beijinhos de boa noite,
Fernandinha

Olhos de Mel disse...

Oie lindinho! Acho que a vida é um circo. Cada um de nós representa seu papel, muitas vezes em desagrado, mas tem que se seguir. Sorrir, quando gostaríamos de chorar, falar quando queríamos o silêncio e sempre desempenhar papéis que preferiríamos jamais desempenhar. Mas faz parte desse grande espetáculo, que é a vida!
E assim: sorri triste o palhaço, engana o público o ilusionista, dança na corda a trapezista e o púbico se ilude por instantes com o reluzir do palco.
Linda e triste poesia!
Beijos